Irmãos Campana conquistam a Inglaterra

Na Rua Barão de Tatuí, no bairro de Santa Cecília, em São Paulo, os irmãos-designers Humberto e Fernando Campana têm seu estúdio. Desde 1992, lá trabalham como "operários-padrão": entram às 7, 8 horas da manhã e saem às 18h30. E mais ainda, há 20 anos constroem uma carreira juntos. Marcando a data, os dois fazem agora uma exposição especial, em Londres. Até setembro, exibem no Design Museum, na capital britânica, 35 obras realizadas entre 1988 e hoje. A mais nova delas é a cadeira Corallo, um emaranhado de linhas de ferro, lançada neste ano pela marca italiana Edra. Humberto e Fernando Campana têm seus nomes já firmados tanto no Brasil quanto no exterior - um evento pontual e de destaque foi a exposição que os designers realizaram em 1998 no Museu de Arte Moderna de Nova York (MoMA), ao lado do alemão Ingo Maurer. Não é de se espantar que a curadora do Design Museum, Sophie McKinley, tenha se interessado de cara pelas obras dos brasileiros quando as viu de perto, em janeiro, no estúdio deles. Uma poltrona formada por bichos de pelúcia, cadeiras com cordas coloridas, bonecas de pano, mangueiras de aguar jardim, e assim por diante, alguns exemplos da criatividade dos irmãos. Os designers, que começaram trabalhando basicamente com ferro e alumínio, até agora já exploraram uma infinita diversidade de materiais, muitos deles inusitados. Galhos de árvores, borracha, plástico, papelão, bambu, tapetinhos de banheiro e até ralos brancos de cozinhas formam o tampo de mesa. "O material dita o que vai ser: uma cadeira, uma luminária... É como um flerte. A gente procura caminhos de reutilização dos materiais, não é reciclar lixo", diz Fernando.Em Londres, a exposição Zest for Life - The Designs of Fernando and Humberto Campana trata dos processos construtivos dos designers. Apesar de os dois estarem comemorando 20 anos de produção conjunta, não se trata de uma retrospectiva. Além das peças, há slides, fotografias realizadas pelos irmãos durante a montagem de alguns trabalhos e vídeos - um deles, de depoimentos da dupla. Zest for Life ocupa uma grande sala quadrada que se transformou em ovalada com o uso de palha de piaçaba, como "um disco voador", descreve Humberto. Há, também, uma instalação fora do museu: um tanque de vidro com 6m por 4m cheio de cadeiras Corallo, cada uma de uma cor.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.