Alida Juliani/Efe
Alida Juliani/Efe

Irmão de García Márquez confirma que escritor sofre de demência senil

Escritor ainda 'conserva humor, alegria e entusiasmo', mas tem conflitos de memória, disse Jaime García

Efe,

06 Julho 2012 | 15h17

CARTAGENA - O escritor colombiano Gabriel García Márquez sofre de demência senil, embora "ainda conserve o humor, a alegria e o entusiasmo que sempre teve", confirmou seu irmão Jaime García Márquez

Num encontro com participantes do programa cultural Ruta Quetzal BBVA, no Museu da Inquisição, na cidade caribenha de Cartagena, o irmão do prêmio Nobel de Literatura disse que "do ponto de vista físico ele está bem, embora já tenha alguns conflitos de memória", que se agravaram pelo câncer linfático que enfrentou em 1999.

"Em nossa família, todos sofremos de demência senil e ele já tem os estragos causados pelo câncer, que quase o matou. A quimioterapia salvou sua vida, mas também acabou com muitos neurônios, muitas defesas e células e isso acelerou o processo", explicou.

No entanto, o irmão de "Gabito", nome pelo qual se referiu o tempo todo ao prêmio Nobel, afirmou que ainda é possível conversar com ele, que demonstra "muita alegria e entusiasmo, como sempre foi. Sempre cheio de humor".

"Quando falamos com ele temos muita preocupação com sua saúde, mas terminamos profundamente felizes porque ele está vivo", acrescentou.

Jaime García Márquez explicou que o estado de saúde de seu irmão é uma notícia que, por diferentes razões, mantiveram relativo segredo, não porque exista algo grave que não possa ser divulgado, "mas porque se trata de sua vida, e ele sempre tentou protegê-la".

"O fato real é que há muitos comentários, alguns estão certos, mas sempre estão cheios de morbidez. Às vezes dão a sensação de que queriam que ele morresse, como se a morte dele fosse uma grande notícia", reclamou.

Jaime García Márquez, que dirige a Fundação Novo Jornalismo Ibero-Americano (FNPI), criada por "Gabo" em 1994, em Cartagena, lamentou que seu irmão não esteja em condições de escrever a segunda parte de sua biografia "Viver para Contar", nem nenhuma outra obra.

"Infelizmente acho que não será possível, mas tomara que esteja errado", disse emocionado.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.