Iraquiana recebe prêmio mundial de arquitetura

A arquiteta Zaha Hadid, cujo design nada convencional inclui uma rampa para saltos de esqui, um posto dos bombeiros e um museu de arte, se tornou hoje a primeira mulher a receber o Prêmio Pritzker, espécie de Nobel da arquitetura mundial ? o brasileiro Oscar Niemeyer tem um, de 1988, assim como o italiano Renzo Piano (1998), o inglês Norman Foster (1999), o holandês Rem Koollhaas (2000) e o americano Frank O. Gehry (1989). O prêmio, no valor de US$ 100 mil, foi entregue a Zaha no Museu Hermitage. A cerimônia de entrega do Priyzker acontece anualmente em diferentes prédios de importância arquitetônica. Atualmente cidadã britânica, Zaha nasceu em Bagdá, no Iraque, há 53 anos. Em entrevista ao Estado, em março, após ser anunciada a vencedora deste ano, Zaha disse que sua indicação ?não teve nada a ver com política. A indicação se deu tão-somente pela qualidade do meu trabalho?, respondendo se sua nomeação não foi feita pela Hyatt Foundation (que distribui a premiação) com um duplo propósito: pagar uma dívida histórica com as mulheres e fazer uma espécie de desagravo político pela situação no Iraque ocupado. ?Eu realmente não sei por que me tornei a primeira mulher a receber este prêmio, mas espero que isso ajude outras mulheres nessa profissão a ter sucesso?, disse hoje, depois de receber o prêmio.Os jurados do prêmio, mantido pela família que construiu a rede de hotéis Hyat, destacaram os projetos de Zaha para o Centro de Artes Contemporâneas Rosenthal, em Cincinnati, no estado americano de Ohio; o Posto dos Bombeiros de Vitra, na Alemanha; e a rampa de esqui em Innsbruck, na Áustria. No ano passado, a arquiteta foi destaque na 5.ª Bienal de Arquitetura de São Paulo, quando definiu sua obra como uma ?explosão controlada? e explicou: ?Trata-se de compor caminhos, rotas e volumes que se cruzam, em formas que são dinâmicas, nunca estáticas.?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.