Irã ainda quer Rushdie morto

A Guarda Revolucionária do Irã renovou a sentença de morte do escritor britânico Salman Rushdie na sexta, aniversário da "fátua" declarada contra o autor pelo ex-líder do Irã, aiatolá Ruhollah Khomeini. O pai da revolução islâmica de 1979 no Irã condenou Rushdie à morte em 1989 sob a acusação de blasfêmia contra o Islã em seu romance Os Versos Satânicos. O presidente moderado do Irã Mohammad Khatami disse em 2001 que a sentença de morte contra Rushdie havia sido revogada, mas radicais iranianos continuaram a pedir sua morte, a despeito de um acordo entre o Irã e a Grã-Bretanha para normalização das relações entre os países, desde que Teerã se distanciasse dos esforços para matar o escritor.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.