IOC põe anarquia no cenário fashion

Eles são totalmente anárquicos e querem anarquizar o sistema da moda. "A moda se tornou uma estrutura corporativista das mais cruéis", criticam os americanos Mathew Danhave, 22, e Tara Subkoff, 28, a dupla de estilistas da marca alternativa Imitation of Christ, que estão mostrando suas criações no Carlton Arts, numa performance com seis horas de duração, encenada por um grupo de 20 atores e modelos brasileiros. Com apenas um ano e um mês de atuação, a Imitation of Christ, conhecida como IOC, já quebrou várias barreiras. Conquistou o noticiário fashion de cara (fez o primeiro desfile num velório!) e adeptos como as atrizes Chloé Sevigny (Meninos Não Choram) e Mila Jojovich (Quinto Elemento). Com isso, a IOC rompeu as amarras do sistema que tanto combate (a dupla é radicalmente contra o poderio de marcas internacionais, lançadora de tendências, como Gucci e Prada) e teve suas roupas expostas nas araras de templos do consumo mais chiques do planeta, como as novaiorquinas Barney´s e Kirna Zabeti, a Colette, em Paris, e na Yasmin Chow, em Londres. "Ter nossas roupas nessas lojas é uma prova que estamos conseguindo infiltrar nossas idéias nessa malha corporativista! Não temos estúdio ou loja. Criamos no carro, em quarto de hotel, no avião. Criamos nossas coisas e vendemos sem nenhum esquemão", diz Mathew Danhave. Pelo jeito, está dando certo, já que os dois criadores estão conquistando páginas de revistas. Nascido em Savanah, na Georgia, Danhave fez faculdade no College of Art do Instituto de Maryland. Tara Subkoff, por sua vez, é atriz há dez anos. Em seu último filme contracenou com a superstar Jennifer Lopez em A Cela. Em Nova York conheceu Danhave, com o qual formou a IOC, com o objetivo de nadar contra a corrente, criando roupas sem as amarras das tendências, sem se ligar em mostrar as coleções nos calendários oficiais. "No começo do verão mostramos roupas de verão, não é lógico?" pergunta ela. Essa é a primeira vez que a dupla está no País, mas já está de olho na produção de moda local - elegeram como seus preferidos duas marcas alternativas do cenário fashion paulistano. "Adoramos as roupas do Marcelo Sommer. Ele é demais! O Alexandre Herchcovitch também tem um trabalho incrível", diz Tara Subkoff. Eles conheceram as roupas de Herchcovitch por meio da modelo brasileira Vanessa Greca, que desfilou para eles em Nova York e estava sempre vestida com as roupas do estilista paulistano. As roupas do IOC têm clima dark, macabro. São peças únicas, feitas a partir de um patchwork de partes de roupas remendadas umas nas outras, garimpadas nos brechós das cidades que a dupla visita. Agradam a uma tribo de modernos que não hesita em desembolsar de R$ 450 a R$ 25 mil para ter um look, que pode ser um vestido ou um acessório, assinado pelo toque alternativo e contestador da grife. Esta é a quarta coleção da IOC. A primeira foi mostrada em Los Angeles, as outras duas na Semana de Moda de Nova York. Em São Paulo, a Imitation of Christ será vendida na boutique dos Jardins de Andréa Bilinski e em sua filial no Shopping Iguatemi. Carlton Arts. Até 1.º de julho. Das 16 às 2 h. Moinho Eventos (Rua Borges Figueiredo 510, Mooca). Ingresso: R$ 16 (entrada + exposições). Ponto de venda: Shopping Iguatemi e pela Internet: www.carltonarts.com.br

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.