Investigado, David Copperfield cancela shows na Ásia

Mago é acusado de estuprar uma mulher nas Bahamas, além da apreensão de R$ 2 milhões

Efe,

23 Outubro 2007 | 12h13

O mago David Copperfield adiou a sua viagem pelo Sudeste Asiático, para a qual já tinham sido vendidas 70 mil entradas, enquanto é alvo de uma investigação do FBI, acusado de estuprar uma mulher nas Bahamas. Na semana passada, a polícia apreendeu R$ 2 milhões     A milionária viagem do ilusionista começaria hoje, em Jacarta (Indonésia). Ele passaria por Malásia e Cingapura até chegar a Bangcoc (Tailândia), em 10 de novembro, informa hoje o jornal tailandês The Nation.   A RSi Dream Entertaiment, organizadora de sua visita a Bangcoc, informou que os sete espetáculos na capital tailandesa serão "adiados indefinidamente".   A investigação sobre Copperfield começou depois de ele ter sido acusado por uma mulher de Seattle, cuja identidade não foi revelada. Ela disse ter sido violentada pelo mágico durante sua estadia nas Ilhas Bahamas, segundo os advogados do artista.   Dinheiro apreendido   Na semana passada, agentes do FBI apreenderam quase US$ 2 milhões (R$ 4 milhões) em dinheiro vivo num depósito na cidade de Las Vegas, no Estado americano de Nevada, pertencente ao ilusionista David Copperfield, informou a mídia local na quinta-feira, 18. Na blitz realizada na noite de quarta-feira, 17, os agentes também confiscaram um disco rígido de computador e chip de memória de um sistema de câmeras digitais.   A agente especial do FBI em Seattle, Robbie Burroughs, não deu detalhes sobre a investigação.   Copperfield, de 51 anos, cujo nome real é David Kotkin, é famoso por truques como o de fazer a Estátua da Liberdade desaparecer e passar andando através da Grande Muralha da China.

Mais conteúdo sobre:
David Copperfield

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.