Intolerância

Ontem, li um comentário na minha rede social que dizia mais ou menos assim: “Não vou assistir ao seu filme, porque eu não gosto de petistas”. Tirando o fato de que eu não sou petista, nunca votei no PT em toda a minha vida e acho qualquer partido que aí esteja uma merda, o PT inclusive, fiquei triste com o teor da observação da moça. Fiquei triste porque sei que esse tipo de pensamento anda recorrente e sou contrário a ele. Acho que todos têm o direito de assistir ao que bem entender e ser contra ou a favor do que bem quiser, porém percebo um movimento de exclusão do diferente, que é maléfico para qualquer sociedade. Em qualquer instância que seja. Política, futebolística, artística...

Fábio Porchat, O Estado de S.Paulo

24 Julho 2016 | 02h00

Acho muito importante a pluralidade de ideias. Nessa altura do campeonato, já sabemos que não existe apenas o bem e o mal ou o certo e o errado... Há sempre pontos positivos e negativos em todos os lados. Você optou por um dos lados que, na sua opinião, tem mais prós do que contras. Maravilha. Mas é preciso entender o que se passa no outro bunker para formar melhor a sua opinião e não é ignorando, é incluindo. Fará bem para você, enquanto ser humano que vive em uma sociedade democrática. Só assim se evolui. E, no fundo, é uma lógica mentirosa.

No seu time de futebol tem jogadores que votaram no PT. E agora? Vai torcer pro seu goleiro petista tomar gol? No supermercado, tem produto que foi colocado na prateleira por petista, produto esse que foi fabricado por algum petista de uma empresa que em sua diretoria tem algum petista. E aí, vai comprar o pão de forma? Metade da população votou no PT e a outra metade votou no PSDB, então não importa quem você despreze, coxinhas ou petralhas, a sua vida de ódio vai ser bastante inviável se seguida à risca.

Você pode dizer que o filme contou com dinheiro público da Lei do Audiovisual, mas o seu carro também teve incentivo fiscal. A sua geladeira. Lembra do IPI reduzido? Pois é. As igrejas que você frequenta também não pagam impostos. A maioria dos setores da economia recebe benefícios. A indústria bélica é muito beneficiada aqui no Brasil, olha que coisa. Mas, claro, é não indo assistir a um filme no cinema que você se posiciona. Lembrando que 99% dos filmes nacionais se utilizaram de alguma lei de incentivo, os grandes sucessos, inclusive, lembra do Tropa de Elite?

Eu entendo o seu ódio, o País está mergulhado numa crise, o PT roubou muito, eu também tenho raiva da corrupção generalizada, mas vamos focar nos inimigos certos. Enquanto você deixa de se divertir no cinema, tem muito Renan Calheiros por aí, rindo da nossa cara.

PS: Não falei tudo isso em defesa do filme do Porta dos Fundos. Ele já saiu de cartaz, praticamente. Falo isso em defesa dos bons filmes que merecem ser vistos. Como o divertido Entre Idas e Vindas, que estreou quinta, por exemplo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.