Instalação de Rachel Whiteread, na Tate Modern

A premiada escultora britânica Rachel Whiteread, de 42 anos, apresentou hoje sua última obra, uma instalação monumental denominada Embankment que parece formada por caixas translúcidassemelhantes a blocos de gelo, na galeria Tate Modern, de Londres. A obra ocupa um lugar chamado Turbine Hall, e que o local de exibições mais importante do país para obras de arte contemporâneas em grande escala. A instalação faz parte de uma série encarregada a famososartistas como Louise Bourgeois, Bruce Nauman, Olafur Eliasson e JuanMuñoz pelo grupo Unilever para ocupar esse enorme espaço da antigacentral térmica que, após ser adaptado pelos arquitetos suíçosHerzog e de Meuron, abriga atualmente a galeria. Trata-se de uma estrutura labiríntica formada com 14 mil blocosde até 12 metros de altura amontoados em diferentes grupos e queparecem representar uma cidade. Os visitantes podem caminhar entreEles. A artista que despontou nas artes britânicas nos anos 80, ganhou o prêmio Turner, considerado o mais importantes da arte britânica, em 1993, por sua escultura House - uma réplica em tamanho natural de uma casa em ruínas na região leste de Londres. Para criar Embankment Rachel diz ter se inspirado em uma caixa de papelão que encontrou na casa de sua mãe na época da morte dela e em uma viagem que fez recentemente ao Ártico para fazer sua nova obra, e na cena final do filme do diretor Steven Spielberg sobre Indiana Jones, Caçadores da Arca Perdida. Embankment ficará exposta na Tate Modern a partir de hoje e até o dia 2 de abril de 2006.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.