Ingleses encontram creme feminino de 2 mil anos

O Museu Britânico, em Londres, está expondo desde ontem uma rara descoberta arqueológica: um pote de creme, contendo marcas de dedos, feito há dois mil anos por romanos. "Não sabemos se é um creme hidratante, medicinal ou ritual, mas se trata de um achado fantástico", disse Liz Barham, uma das curadoras do museu. O pote, medindo 6 cm de diâmetro por 5 cm de altura, foi descoberto por uma equipe de arqueólogos da empresa Pre-Construct Archeology, na escavação de um templo celta-romano em Southwark, sul de Londres. Aparentemente, o objeto foi escondido deliberadamente por alguém num local quase incessível do templo. Gary Brown, diretor da empresa, se disse "estupefato". "Quando o pote foi aberto, além das marcas de dedos no creme, notamos que ele exalava um forte cheiro de enxofre. O mais interessante é que esta substância não sobrevive nos arquivos arqueológicos", comemorou Brown. Embora não se arrisque a afirmar que tipo de creme guarda o pote, Francis Grew, diretor do museu, lembra que as mulheres romanas utilizavam, com freqüência, leite de jumenta como creme facial. Seja como for, a presença das marcas de dedos no creme poderá abrir caminho para futuros estudos relacionados com a vida dos romanos. O templo encontrado em Southwark, que pode ter mais de dois mil anos, é a maior prova arqueológica da presença dos celtas e romanos na região onde se encontra Londres.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.