Influência nos versos de além-mar

Entre os colaboradores do Dicionário de Luís de Camões está, como mencionado no texto acima, o poeta, ensaísta e professor goiano Gilberto Mendonça Teles. Leia a seguir um trecho do seu verbete Recepção de Camões na Literatura Brasileira. A íntegra está em estadão.com.br/e/gilbertocamoes.

O Estado de S.Paulo

12 de novembro de 2011 | 03h07

*

"A influência da obra e do nome de Camões na poesia brasileira, de Bento Teixeira a Carlos Drummond de Andrade, ou, mais precisamente, das origens da literatura no Brasil aos escritores da atualidade, deve ser estudada com a consciência de que a obra literária é antes de tudo a instauração de um determinado tipo de linguagem, que "o objeto da história literária não é a gênese das obras" (Todorov), mas "o estudo da variabilidade literária, isto é, da evolução da série" (Tynianov) e que "A história comparativa de uma literatura nunca deve esquecer a outra história, a interior" (Pichois). O prestígio da obra de Luís Vaz de Camões - a sua poesia épica, lírica e dramática - e, de maneira mítica, o fulgor de seu nome repercutem em todos os níveis da cultura brasileira, atingindo com igual força tanto a produção literária como as mais variadas manifestações da cultura popular. Daí o sentido de Camonema que, como um tópico universal, recobre toda a cultura brasileira, motivando a ideia e a prática de uma Camonologia, uma série de estudos e iniciativas culturais em torno de Camões. O processo de transformação do discurso literário no Brasil se verificou e ainda se verifica sob a influência de Camões, cuja obra repercute na poesia, atuando profundamente na concepção poética e motivando um sistema retórico camoniano, muito mais susceptível de desgastar-se entre os epígonos que muitas vezes não leram diretamente a obra de Camões, mas sim através dos grandes escritores que o citaram. Num e noutro caso, o certo é que em todos os momentos da literatura brasileira a corrente camoniana - a presença modelar de Camões - foi e continua sendo uma constante nos temas, nas imagens, na estrutura dos versos e até na man b) A continuidade da fusão do lírico com o épico, como na poesia de Cassiano Ricardo, Jorge de Lima, Carlos Nejar e Fernando Py, que vão fundir os traços épicos de Os Lusíadas numa forma intertextual de grande expressão lírica. c) O aparecimento, em 1886, de uma Camoniana Brasileira, do barão de Paranapiacaba, livro que será o símbolo de um novo sentido impresso à obra de Camões: o de servir de modelo didático para o ensino da língua portuguesa, fato que não só interferiu na crítica literária como gerou uma série de contos satíricos sobre gramáticos. (...)".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.