Indicado ao Oscar, 'Inverno da Alma' chega aos cinemas

A coragem de trocar o certo pelo duvidoso é o grande trunfo de "Inverno da Alma", filme de Debra Granik que estreia hoje nos cinemas. O longa recebeu quatro indicações ao Oscar - melhor filme, roteiro adaptado, ator coadjuvante (John Hawkes) e atriz (Jennifer Lawrence). Além disso, foi vencedor do Grande Prêmio do Júri no Festival Sundance 2010 e indicado a sete Independent Spirit (premiação que será realizada no dia 26 de fevereiro, um dia antes do Oscar).

AE, Agência Estado

28 de janeiro de 2011 | 09h33

Quando uma sessão de "Inverno da Alma" começa, sua história (ou a força motriz dessa história) já aconteceu. Os espectadores são, delicadamente, convidados a construir um quebra-cabeça de fatos não contados e segredos em família - para, no final, descobrirem que a beleza do filme está guardada naquele espaço em branco deixado pelas peças que ainda estão faltando.

O público acompanha essa saga desde o momento em que Ree Dolly (Jennifer) - uma garota de 17 anos, responsável pela criação de dois irmãos mais novos e de uma mãe doente - recebe a visita do xerife de Ozark, no sudoeste do Missouri, interior dos Estados Unidos. A notícia que Ree recebe da autoridade local não tem rodeios: para ficar em liberdade condicional até o dia do seu julgamento, o pai de Ree havia empenhado os bens da família (um pedaço de terra devastada e uma pequena casa). Portanto, caso o pai não apareça perante o juiz, na data marcada, Ree, irmãos e mãe perderão tudo.

Por que o pai de Ree havia sido preso? Por que fugiu? Qual seria o seu paradeiro? E como seria a relação dele com os filhos e a mulher? São perguntas que serão, em parte, respondidas ao longo do filme. Mas não se enganem. Mesmo de posse de algumas respostas, você (espectador) nunca terá o conforto de um quadro completo.

A partir da visita do xerife, Ree inicia sua peregrinação em busca do pai. Ela precisa encontrá-lo e convencê-lo a comparecer à audiência. Ou, na pior das hipóteses, descobrir se ele está morto - e assim também evitar o despejo. Na caminhada de Ree, a paisagem triste e seca de Ozark vai se descortinando. Do mesmo modo que o lamento da música country acompanha o destino dos personagens (não tem Wilco na trilha sonora, mas os fãs da banda irão, com certeza, imaginar várias cenas sendo costuradas pelo som dos caras). John Hawkes, que interpreta o tio de Ree, está surpreendente no papel. Merecida indicação ao Oscar. As informações são do Jornal da Tarde.

Tudo o que sabemos sobre:
cinemaOscarInverno da Alma

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.