Divulgação
Divulgação

In-Edit Brasil exibe filmes que vão do funk ao rock angolano

Festival começa nesta quinta-feira, 02, para convidados e vai até o dia 12 em São Paulo

FLAVIA GUERRA, O Estado de S.Paulo

01 de maio de 2013 | 02h09

Um documentário que retrata o improvável, mas real, cenário do rock em Angola; outro que conta a saga de um músico iraniano para formar a orquestra filarmônica de Teerã; um filme brasileiro que registra o fenômeno do Passinho, uma nova forma de dançar funk e o cenário cultural nas favelas cariocas. Death Metal Angola, Gozaran - Time Passing e Batalha do Passinho, respectivamente, atrações do 5º In-Edit Brasil - Festival Internacional do Documentário Musical, que começa nesta quinta-feira, 02, para convidados e vai até 12 de maio em São Paulo.

Como bem ressalta o diretor geral do In-Edit, o espanhol Uri Altell, estes e os demais 58 filmes nacionais e internacionais fazem da edição 2013 do festival a prova de que documentários musicais vão muito além de vídeos promocionais de artistas e bandas. "São filmes que, mesmo não sendo necessariamente políticos ou sociais, contam muito do que ocorre hoje pelo mundo. E não só funcionam como ferramenta para vender mais discos", comenta Altell, que já levou o festival para cidades como Berlim, Santiago, Buenos Aires e México - e, ainda ano, deve chegar a Nova York.

Para o diretor da versão brasileira do evento, Marcelo Andrade, mais que documentar e retratar grandes figuras da música mundial e nacional, o maior objetivo do festival é selecionar filmes que contem boas histórias. "Neste sentido, repare, apesar de haver filmes sobre grandes músicos como Neil Young (Neil Young: Journeys), e LCD Sound System (Shut Up and Play the Hits), a maioria dos selecionados retrata artistas praticamente desconhecidos. O mais importante é que se contem boas histórias. E isso, neste ano, não vai faltar", diz Andrade.

É exatamente este o caso do filme de abertura, que tem sessão amanhã, às 19h horas, no Museu da Imagem e do Som. Vencedor do Oscar de Melhor Documentário em fevereiro, Searching For Sugar Man, de Malik Bendjelloul, investiga o paradeiro de Jesus 'Sixto' Rodriguez, compositor de Detroit que gravou dois discos no início dos anos 1970 e desapareceu sem saber que influenciou uma geração inteira do outro lado mundo.

Por estas e por outras é que o evento que nasceu em Barcelona em 2003 e chegou seis anos depois ao Brasil, em São Paulo, sob grande expectativa de trazer uma seleção apurada da recente safra dos documentários sobre música no mundo, cada vez mais se afirma como um biscoito fino entre os festivais de cinema no Brasil.

Shows. "Em vez de trazermos centenas de filmes, como ocorre com outros grandes e importantes festivais no Brasil, preferimos trazer uma seleção menor, mas muito cuidada e representativa", explica Andrade. "No nosso caso específico, é a música é quem rege e serve de pano de fundo, o que possibilita abordar coisas urgentes. E outras não tão urgentes. Já passamos filmes sobre direitos civis, os Panteras Negras e o movimento negro nos EUA, falamos de protestos e até mesmo de guerras", diz Andrade.

"Quando criamos o evento, quase não havia produção na área. Foi difícil fazer a seleção. Hoje, é o oposto. Há uma verdadeira indústria do gênero. E é preciso ter olhos atentos para selecionar", completa Altell.

O espanhol conta que uma iniciativa vai levar os repertório do In-Edit às escolas secundárias do México em 2014. "A ideia é que os alunos maiores de 16 anos possam aprender e entender, por meio do cinema e da música, movimentos muito importantes da política, sociedade e cultura do mundo. Será uma oportunidade para que os jovens saibam mais sobre realidades duríssimas, mas também sobre histórias lindas e outras que ajudam a narrar a própria história da música", diz Altell.

O público brasileiro terá também a oportunidade de, além dos filmes, assistir a shows que complementam a programação, assistir a bate-papos com diretores convidados e frequentar master class com o homenageado desta edição, o inglês Dick Fontaine, um dos mais prestigiados documentaristas do mundo, famoso por documentar o nascimento do Hip Hop nos EUA.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.