Impressão Digital

TRENDING TRÓPICOS ... E O BRASIL DOMINOU O TWITTER

Alexandre Matias, O Estado de S.Paulo

01 de agosto de 2010 | 00h00

As coisas andam mais depressa no mundo digital. A Copa do Mundo terminou há mais de um mês, mas o movimento "Cala Boca Galvão" parece que aconteceu anos atrás. Para quem não lembra, a tentativa de calar o locutor da Globo começou a partir das reclamações de brasileiros no Twitter, o que fez que a frase chegasse aos trending topics da rede social. Esses tópicos funcionam da seguinte forma: quando um termo é repetido várias vezes pelos usuários do Twitter, ele aparece em uma lista que apresenta quais são as frases, palavras ou expressões mais twittadas naquele instante. Eis um dos grandes trunfos do Twitter: funcionar como um termômetro do inconsciente coletivo mundial - ou ao menos das pessoas conectadas à sua rede.

"Cala Boca Galvão", portanto, foi uma das expressões que apareceram nos trending topics logo que a Copa começou. Quem não era brasileiro e viu aquela expressão em português nos tópicos, passou a perguntar o que era aquilo. Irônicos, alguns brasileiros começaram a brincar com o significado e disseram que a frase era o slogan de um movimento que queria salvar aves em extinção no Brasil - isso foi assunto até desta coluna, domingos atrás.

Não foi a primeira vez que o Brasil chegou à lista dos tópicos mais falados no Twitter. Em junho do ano passado, o ator Ashton Kutcher resolveu brincar com a seleção brasileira e aprendeu, na lata, o significado da expressão "Chupa!" Twittou e, em pouco tempo, o termo "Chupa" estava nos trending topics.

Mas depois do "Cala Boca Galvão", algo mudou. Cientes de que haviam emplacado um termo na lista, brasileiros começaram a twittar freneticamente para ver se alguma bobagem entrava nos trending topics. E elas começaram a entrar. Foi questão de tempo para que quem não fosse brasileiro começasse a se perguntar, como perguntaram sobre o Galvão, o que era "Fiuk", "Cala Boca Stallone" ou "Bruna Surfistinha". E nas últimas semanas, não apenas um ou dois, mas todos os dez tópicos mais comentados no Twitter tinham sido criados por brasileiros.

Isso gerou uma repulsa brasileira ao próprio comportamento dos brasileiros - gente inconformada, reclamando da presença de algum termo no Twitter, sem perceber que, ao reclamar dele, o ajudava a mantê-lo no topo. Mas é um comportamento típico: reclamar que o brasileiro avacalha tudo e que isso é coisa de subdesenvolvido.

O engraçado é que essa avacalhação é uma das bases da nossa cultura - vide Oswald de Andrade, o Amigo da Onça, o Pasquim, Chacrinha e Hermes e Renato. E agora, as brincadeiras no Twitter entram nessa tradição, como uma manifestação em massa que pode ser chamada de "trending tropicalização".

MAIS BARATO

KINDLE: ÀS VÉSPERAS DA POPULARIZAÇÃO?"

Foi posta em pré-venda na semana passada, a terceira versão do e-reader da Amazon, o Kindle. Menor e mais leve que as versões anteriores, a maior novidade é a redução de preço. O aparelho, que começou a ser vendido a US$ 399, agora custa US$ 139, três anos depois de seu lançamento. Analistas acreditam que, uma vez que o dispositivo passe a custar US$ 10o, ele deixa de ser um produto de nicho e ganha o mercado de vez.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.