Divulgação
Divulgação

Impacto das mãos

Cristiane Mohallem explora o tema nas obras que exibe no Contraponto

CAMILA MOLINA, O Estado de S.Paulo

21 Fevereiro 2013 | 02h10

Como uma espécie de enquadramento fotográfico, Cristiane Mohallem criou uma série de pinturas em grande escala nas quais deu ênfase apenas à representação de mãos. "Não interpreto o porquê, vou pela emoção", diz a pintora, que sempre se interessou pela figura do corpo humano como tema de suas obras. Psicóloga por formação, a paulistana de 38 anos não imaginava que poderia se tornar um dia uma artista. "Faz quatro anos que pinto diariamente", conta. Cristiane Mohallem se prepara agora para inaugurar no sábado, no espaço Contraponto, sua segunda exposição individual em menos de um ano, Entre Mãos: Pinturas, com suas mais recentes telas.

É a primeira vez que a artista experimenta a grande escala, "questão contemporânea", ela define, criando obras a óleo com formato de 1,8 m x 1,60 m. "Virou uma série, em que as pinturas, juntas, causam um impacto maior", descreve a artista. "Seis mãos grandes é quase como um trabalho só, como subverter algo", completa. Cristiane Mohallem também exibe desenhos a carvão, de 60 cm x 60 cm, que formam duplas e têm a mão como imagem. "Sempre desenhei muito as mãos em meus cadernos de anotação", lembra. A figura de suas obras é feita por meio da observação ou baseada em fotografias, ela afirma.

Há um caráter gestual nas pinturas de Cristiane Mohallem, uma espessura da matéria refletida em camadas de tinta a óleo. A abstração não lhe interessa - "com o abstrato, parece que fico sem objetivo", diz -, mas explorar questões do próprio campo pictórico como cor, espaço, gesto e figuração. Inevitável pensarmos na pintura de Lucian Freud quando vemos a obra de Cristiane - ela mesma indica que o britânico é uma influência, assim como as obras de Matisse, Edward Hopper, Philip Guston, Joan Mitchell e Richard Diebenkorn (este último, especificamente, em telas de uma série anterior da paulistana, Céus, de 2011). O artista Sergio Fingermann, que coordena o Contraponto, afirma que Cristiane tem "muita potência, muita intensidade no início de um projeto poético pessoal". Ele convidou a artista, que é representada pelo DConcept Escritório de Arte (onde realizou sua primeira individual, no ano passado), a expor Entre Mãos no espaço da Vila Madalena.

Cristiane Mohallem começou a pintar em 2008, mas não deixou de exercer também a psicologia. A relação de arte e psicanálise, proposta pela doutora Nise da Silveira, sempre foi uma questão de interesse da artista. Antes de pintar, fez aulas de desenho com Feres Khoury, grande incentivador. Mais adiante, fez mestrado em arte pela School of the Art Institute of Chicago, nos EUA. "Nessa época, fiz muito ateliê e vi muitos museus", diz.

Como parte da exposição Entre Mãos, de Cristiane Mohallem, o crítico e curador Olívio Tavares Araújo vai ministrar no dia 12, no espaço Contraponto, uma palestra que terá como tema A Pintura nas Questões Contemporâneas da Arte.

CRISTIANE MOHALLEM

Contraponto. Rua Medeiros de Albuquerque, 55, Vila Madalena. 13h/17h. Até 15/3. Abertura sábado, 11h, para convidados

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.