Imaginário sofisticado

DEPOIMENTO

, O Estado de S.Paulo

14 Abril 2011 | 00h00

Regina Silveira

ARTISTA

"Um artista peculiar, com interesses científicos consistentes, mas muitas vezes apreciado superficialmente, apenas pelo caráter ornamental de sua obra gráfica, infinitamente reproduzida e barateada em produtos e publicidade - ou entendida como não suficientemente "artística" por um posicionamento estético fechado, eu diria até preconceituoso. O pensamento e o imaginário matemático que está na base das simetrias e metamorfoses das gravuras de Escher é dos mais sofisticados e sua obra sempre teve a maior ressonância nos círculos artísticos e científicos que, desde sempre, prezam as relações - realmente fundamentais - entre Arte e Geometria, nas mais diversas formas.

Quero chamar a atenção para a maestria técnica quase inacreditável das matrizes que ele gravou, minuciosa e manualmente, em madeira, metal ou pedra litográfica, e para a inteligência das metamorfoses que aplicava a figuras diversas, acopladas por procedimentos matemáticos de periodicidade, como duplicação e alternância.

Para mim sempre foram claras e felizes as abordagens que aproximaram Escher e Mondrian, com base nas progressões e proporcionalidades das formas planas.

O que sempre apreciei mais nesse artista foi o tratamento do espaço. A ambiguidade de suas antiperspectivas e o caráter enigmático dos paradoxos visuais que construía com escadas e profundidades invertidas, certamente alimentaram minha imaginação quando eu estava com todas as baterias voltadas para possíveis atualizações de anamorfoses e estranhamentos, no início dos 80."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.