Imagens revelam etnias que construíram São Paulo

Há um ano, o projeto Caixa Populi vem reunindo fotógrafos para contar a história das diversas etnias que construíram São Paulo. Agora, o projeto chega à sua quarta e última fase com uma exposição e um livro que resumem o contato das lentes com esses povos.A quarta edição do Caixa Populi, que poderá ser vista a partir de amanhã, às 19 h, no Conjunto Cultural da Caixa, traz 50 das 95 fotos que aparecem no livro. São flagrantes de pessoas de 17 etnias diferentes, pesquisadas ao longo do projeto, que, nas edições anteriores, reunia de cinco a seis povos de cada vez. As fotos são assinadas por Edu Garcia, Iara Venanzi, Hélcio Nagamini, Masao Goto Filho, Paulo Giandalia, Silvio Ribeiro e Emídio Luisi - nomes que coordenaram o trabalho de outros fotógrafos nas edições anteriores do projeto.Encontrar os personagens para registrar essa história foi mais difícil do que esses fotógrafos imaginavam. "Fomos ao Bexiga mas encontramos ali mais nordestinos do que italianos. No Bom Retiro, os judeus deram lugar aos coreanos. A cidade é bem diferente daquela que imaginamos", diz o curador do projeto, o fotógrafo Emídio Luisi.Uma das fotos de Luisi que estão no projeto é a da professora de dança flamenca Ana Esmeralda. "Ela foi muito importante para a chegada do flamenco ao País. E me pediu para ser fotografada com um mural de recortes de jornais ao fundo. Há todo um imaginário naquela imagem", diz. Apesar de ter orientado a terceira etapa do projeto, que focalizou ingleses, holandeses, norte-americanos, africanos e indianos, Edu Garcia, editor de fotografia de O Estado de S. Paulo, resolveu recorrer ao próprio passado para fazer seus registros no livro. Como é neto de imigrantes italianos, contou parte da história de sua família em suas imagens. Lembranças de infância - "O trabalho me fez lembrar da infância, do cheiro de comida, da gritaria, das brigas e da harmonia", conta Garcia. Várias das suas fotos que integram o projeto mostram sua família em cenas comoventes. Em uma delas, mostra a mão de sua filha, de oito meses, sobre a mão de sua avó, de 86 anos. Noutra, Edu Garcia mostra um retrato do casamento da avó, então com 16 anos, com o reflexo, sobre o vidro, da senhora contemplando o passado. "O projeto contou a história da cidade. Mas quem o fez viu a própria história nas ftos." O livro, no entanto, não será comercializado. Seus 6 mil exemplares serão destinadas a escolas, bibliotecas e instituições, que poderão adquiri-lo pelo telefone 3107-0498.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.