Imagem Luis Fernando Verissimo
Colunista
Luis Fernando Verissimo
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Imagens

Na investigação desse atentado em Boston a polícia e o FBI tem à sua disposição as imagens de dezenas de câmeras de circuito fechado dispostas em postes, frentes de lojas e portarias de edifícios ao longo do percurso da maratona. E contarão com as imagens gravadas nos celulares e câmeras portáteis de participantes e assistentes da maratona, num número incalculável. Talvez esta megacobertura não ajude em nada, mas o fato é que vivemos na era do registro universal, em que, pelo menos em tese, nenhum movimento do cidadão de uma cidade moderna deixa de ser captado ou - se for um criminoso - flagrado. Cheguei a imaginar como seria um filme que contasse a vida de algum representante da nossa espécie e da nossa época apenas através de registros selecionados, do teipe do seu parto, gravado pelo pai, através de todos os super-oitos da sua infância e juventude, até a gravação da sua posse como ministro ou do seu assalto a uma mercearia abanando para a câmera, a escolher.

Luis Fernando Veríssimo, O Estado de S.Paulo

18 de abril de 2013 | 02h12

Também se pode especular como teria sido a história do mundo se detalhes dos seus grandes momentos ou de suas passagens mais terríveis tivessem o escrutínio eletrônico de hoje. Na ausência da câmera onipresente os acontecimentos eram conhecidos por testemunhos pouco confiáveis, que transformavam banalidades em feitos heroicos e barbaridades em mitos. Hoje se sabe que o repúdio do público americano à guerra no Vietnã cresceu porque aquela foi a primeira guerra com cobertura instantânea da História, a primeira que não foi mostrada em filmes desatualizados mas gravada e despejada diariamente pela TV no tapete da sala. E não é preciso ir muito longe. Imagine se na tropa que acompanhava dom Pedro I às margens do Ipiranga houvesse uns quatro ou cinco celulares gravando tudo. A cena da proclamação da nossa independência certamente não seria tão retumbante. A cena retratada na pintura famosa é mais bonita, mas é falsa. Ou - para quem acha que entre o fato e a lenda se deve sempre publicar a lenda - é falsa, mas é mais bonita.

Crônica vovô. Tenho uma poltrona para ler os jornais, ver TV e, eventualmente, cochilar na sala. Tenho, não. Tinha. Nossa neta Lucinda descobriu que o melhor lugar para assistir a seus programas é a mesma poltrona. Não concorda que na poltrona, apertando um pouco, cabem dois. Só faz concessão na hora do Jornal Nacional, quando permite minha reintegração de posse. No resto do tempo a poltrona é dela, e meus protestos são recebidos com indiferença ou ironia. No outro dia, diante de mais uma reivindicação dos meus direitos, ela tapou a boca com a mão para eu não ouvir e disse: "Vovô pirou". Enfim, estou envolvido numa guerra por território, com poucas possibilidades de vitória.

Tudo o que sabemos sobre:
Luis Fernando Veríssimo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.