Igualzinha, igualzinha

Margô voltou de Paris com uma bolsa Vuitton. Contou para as amigas o que passara para comprar sua bolsa Vuitton. Entrara numa fila enorme em frente à loja Vuitton do Champs Elysées. No frio! Chegara a brigar com uma japonesa ("Ou chinesa, sei lá") que tentara cortar a sua frente na entrada da loja. Lá dentro, custara a ser atendida. Uma multidão. Mas finalmente conseguira.

Luis Fernando Verissimo, O Estado de S.Paulo

03 Fevereiro 2013 | 02h09

- E aqui está ela - disse Margô, mostrando a bolsa Vuitton como um troféu.

Foi quando aconteceu uma coisa que a Margô jamais esperaria. A Belinha mostrou a sua bolsa e disse:

- Igual à minha.

0 0 0

Houve um silêncio constrangido. Depois que se recuperou da surpresa, Margô sorriu e perguntou:

- Você também esteve em Paris, querida?

- Estive

- Que inferno, a fila da Vuitton, né?

- Eu não comprei a bolsa na loja da Vuitton.

- Ah, não? Não foi no Champs Elysées?

- Foi, mas na outra calçada.

- Como?

- Estavam vendendo na rua. Por 19.

O sorriso da Margô desapareceu. Sua bolsa Vuitton custara exatamente 1.900, na loja.

- Ah. Imitação - disse.

- Mas é igualzinha.

- Igualzinha, igualzinha, não - corrigiu Margô. - A minha é legítima. A sua é falsa.

Belinha então propôs que todos examinassem as duas bolsas, para descobrir se havia alguma diferença. Não encontraram nenhuma.

0 0 0

À noite, na cama com seu marido Oscar, Margô ainda estava furiosa.

- Cachorra!

- O que, bem?

- A Belinha. Não precisava ter esfregado a bolsa de 19 na minha cara.

- Mas ela foi honesta. Poderia dizer que comprara a bolsa na loja, igual a você. Poderia ter mentido.

- Você não vê? Ela me chamou de otária. De nova-rica deslumbrada. De, de...

- Calma. Sabe que essa é uma questão filosófica? - disse Oscar. - Uma imitação perfeita só deixa de ter o mesmo valor do original quando é descoberta. Dizem que várias obras atribuídas ao Rembrandt não são dele, são de um falsificador. Mas continuam nos museus, encantando todo o mundo. Por que estragar o prazer de ver ou ter um Rembrandt, por um detalhe?

- Oscar, você não está me ajudando.

0 0 0

Hoje, quando alguém comenta a bolsa da Margô e pergunta se é Vuitton, ela responde.

- Parece, não é? Mas comprei numa calçada do Champs Elysées. Por US$ 19!

Mais conteúdo sobre:
Luis Fernando Verissimo cultura

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.