Iemanjá ganha oferendas no Carnaval da Bahia

Os baianos fizeram fila, em pleno sábado de Carnaval, para deixar suas oferendas a Iemanjá, a rainha do mar na tradição afro-brasileira. Em frente à igrejinha da Colônia de Pescadores do Rio Vermelho, em Salvador, devotos aguardaram pacientemente em uma longa fila para deixar seus presentes à orixá protetora das águas. Grandes balaios cheios de flores, perfumes, pentes, espelhos e bonecas, entre outras oferendas, foram deixados em alto-mar pelas embarcações de pescadores. Fiéis e admiradores de Iemanjá começaram a chegar ao Rio Vermelho de madrugada e no final da tarde ainda era grande o número daqueles que buscavam um balaio disponível para colocar seus presentes. Segundo Nadinho, do terreiro Ilê Axé Oiá Ijejá, que ajudou no recebimento das oferendas, a Prefeitura de Salvador doou 600 balaios, mas o número ainda foi insuficiente para atender à demanda. "Foram os 600 balaios da prefeitura e mais uns 300 que o povo trouxe", afirmou. Mãe Aice, do terreiro Odé Mirim, que há 15 anos coordena a cerimônia no Rio Vermelho, disse que Iemanjá, considerada vaidosa na tradição religiosa afro-brasileira, "fica satisfeita com as oferendas e pedidos que recebe". "Cada um pede o que precisa. Se está desempregado, pede emprego. Se está doente, pede saúde. Eu peço todo ano paz e saúde", afirmou. De acordo com a estimativa de policiamento militar no local, cerca de 240 mil pessoas passaram pelo Rio Vermelho no sábado. A festa para Iemanjá em 2 de fevereiro é uma das mais importantes do calendário turístico e religioso da Bahia. E neste ano coincidiu com a folia do Carnaval. Segundo mãe Aice, a folia momesca não atrapalhou o ato religioso. "Iemanjá é Iemanjá, Carnaval é Carnaval", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.