Identificada paisagem de "O Grito" de Munch

Uma historiadora da arte identificou a paisagem que inspirou o pintor expressionista norueguês Edvard Munch (1863-1944) a fazer seu quadro mais famoso, a tela O Grito.Segundo Sue Pridaux, trata-se de Kristiania, a Oslo atual, vista de Ekeberg, em cujo asilo psiquiátrico a irmã mais nova de Munch, Laura, foi internada por causa de sua esquizofrenia.O lugar também fica perto do matadouro da cidade, explica a especialista, citada hoje pelo jornal The Times.Sue acha que os gritos dos animais no matadouro combinados com os dos loucos do asilo intensificaram a ansiedade do artista sobre seu próprio estado de saúde.Munch, que perdeu a mãe e a irmã mais velha na infância, sofreu com freqüentes depressões e crises de alcoolismo.O famoso quadro mostra uma linha diagonal, que, segundo se achava, representava uma ponte, mas Sue a identificou como sendo um muro de segurança que ainda existe na região. Much utilizou esse mesmo fundo em suas obras Desespero e Ansiedade.A especialista, que publicará em breve na Yale University Press um livro intitulado Edvard Munch: Behind the Scream, lembra como o próprio pintor descreveu a experiência visionária que inspirou o quadro."Estava na estrada com dois amigos, e o sol se pôs. De repente, o céu ficou vermelho-sangue, e senti o frescor da tristeza...As nuvens sobre o fiorde gotejavam sangue", escreveu Munch."Meus amigos, lembra o artista, seguiram seu caminho, mas eu fiquei tremendo, com uma ferida aberta no peito... Ouvi como um grito extraordinário atravessava a natureza".A especialista tem uma relação especial com o artista: é a sobrinha neta de Thomas Olsen, filantropo morto em 1969 e que foi amigo e vizinho de Edvard Munch na cidade costeira de Hvitsen.Olsen salvou trinta quadros do artista norueguês durante a 2.ª Guerra Mundial, algo que os nazistas tinham declarado como arte degenerada.Existem quatro versões de O Grito, uma das quais foi roubada da Galeria Nacional de Oslo em 1994, mas já foi recuperada.Outra, roubada no ano passado do Museu Munch, da capital norueguesa, continua desaparecida.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.