Imagem Fábio Porchat
Colunista
Fábio Porchat
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Ideia

Tive uma ideia! Vamos lá... Todos já sabemos dos surreais índices de trânsito do nosso país. A indústria da multa cresce a olhos vistos, o trânsito está um caos, a falta de educação nas ruas é latente. Lei Seca, radar, pessoas falando ao celular, mandando mensagens enquanto dirigem, enfim, virou uma lei da selva.

FÁBIO PORCHAT, O Estado de S.Paulo

13 de abril de 2014 | 02h09

Todas as infrações, supostamente, seriam coibidas com as multas, mas as pessoas não estão nem aí. Não pagam, recorrem, ou pagam e se lixam pra isso, arranjam um esquema, na verdade, a multa não se mostrou tão eficiente na diminuição das infrações. Até porque, pagando a multa, tem gente que até se sente no direito de infringir a regra, como se a multa não fosse uma punição e, sim, um passe livre para a bandalha. É daí que a minha ideia surge.

Quando a gente é criança e faz alguma malcriação, nossos pais podem brigar, gritar, ameaçar, mas o que sempre acaba acontecendo invariavelmente é: Vai já de castigo pensar no que você fez. Opa! E se, ao ser flagrado fechando um cruzamento, o motorista abordado por um fiscal tomasse a multa, mas também tivesse que parar seu carro no acostamento por 30 minutos? Sem poder sair dali. Entendeu?

O policial viu o sujeito falando ao celular. Para o carro, pede a documentação, aplica a multa e a pessoa é obrigada, por lei, a esperar por 30 minutos ali. "Pensando" no que fez.

Hoje em dia, tempo não é dinheiro, tempo vale muito mais. Então, punição mesmo, é fazer a pessoa perder seu tempo, não somente o seu dinheiro. Eu prefiro muito mais pagar R$ 100 de multa, do que chegar 30 minutos atrasado a um reunião. Se a pessoa se recusar a esperar, voz de prisão. E uma multa maior. Ela terá que ir até uma delegacia assinar uma papelada qualquer, ou seja, perderá mais do que os 30 minutos. Pense nisso.

Dessa forma, você pega no ponto fraco da sociedade de hoje. O infrator pode alegar que isso vai atrapalhar a vida dele, que ele vai perder uma reunião importantíssima, que ele está atrasadíssimo, que é um absurdo parar a vida dele... Ele que não cometesse nenhuma infração. Que não falasse ao celular dirigindo. A lei é clara, não pode fechar o cruzamento, ninguém mandou fechar. Não pode jogar papel na rua, ninguém mandou jogar. Dessa forma, aí sim, você estaria dando uma "lição" de verdade nas pessoas.

A falta de tempo é o pesadelo do mundo moderno. Que seja através desse medo que as pessoas comecem a respeitar as leis de trânsito.

*

P.S.: Já cometi diversas infrações no trânsito e tomei várias multas. Minha ideia é baseada, inclusive, na minha imbecilidade e falta de respeito de incorrer no erro.

Tudo o que sabemos sobre:
FÁBIO PORCHAT

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.