<i>Convite para Jantar</i> estréia no porão do Teatro Fábrica

Duas jovens atrizes, Eloísa Elena e Júlia Ianina, resolvem unir-se para um despretensioso exercício de ofício. Depois de muito tempo, o que era apenas experimentação transformou-se em espetáculo. Assim, Convite para Jantar estréia no porão do Teatro Fábrica. Poucos espectadores e um cenário rústico que toma todo o ambiente iluminado apenas por velas são indícios de algo que ficou da despretensão de origem. "Intérpretes, quando estão ensaiando uma peça, fazem exercícios de corpo, de voz, trabalham todos os dias", observa Eloísa. "Depois que a peça estréia, a gente passa a só trabalhar no horário das apresentações." Para mudar isso, as duas decidiram se exercitar todos os dias, na imensa sala de uma delas. A ?espera? foi o tema que naturalmente foi tomando conta de gestos e intenções. Aos poucos, suas personagens foram se desenhando. Eloísa Elena interpreta a ansiosa, a que faz tudo. No porão do Fábrica - onde a Agência Estado acompanhou um ensaio - é ela quem acende mais velas, quem exige cebolas cortadas para o jantar que ela prepara (de verdade, num panelão). "Ela detesta espera, é do tipo que faz acontecer." Oposto é o comportamento da mulher vivida por Ianina. "Ela gosta da espera", diz Ianina. "Ela tem esperança de que algo excepcional vai acontecer, mas prefere cultivar essa expectativa a quebrá-la." Ainda na casa de Eloísa, elas começaram a chamar amigos para ver o trabalho e também terapeutas. "Queríamos saber se aquelas mulheres poderiam existir." Receberam assim o estímulo que as levou a mostrar o resultado dessas experimentações a um público maior. "Muitos nos disseram que tínhamos algo para ser visto." Um elemento chama especial atenção - uma galinha de verdade, futuro jantar. "Entre os animais domésticos a galinha é o que melhor simboliza a espera. Sua vida é só a espera pela morte." Daí sua presença, real e metafórica, no palco." Convite para Jantar. 55 min. 14 anos. Porão do Teatro Fábrica (100 lugares). Rua da Consolação, 1.623, (11) 3255-5922. Sábado, 19 horas e domingo, 18 horas. R$ 20. Até 1.º/4D

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.