Mario Anzuoni/Reuters
Mario Anzuoni/Reuters

Ícone da moda dos EUA, socialite Gloria Vanderbilt morre aos 95 anos

Herdeira de uma das maiores fortunas de família da história dos Estados Unidos, Gloria tinha câncer de estômago, diagnosticado no começo de junho

Bill Trott, Reuters

17 de junho de 2019 | 21h42

Gloria Vanderbilt, a “pobre menina rica” que viveu nos altos círculos da moda e da sociedade como herdeira de uma das maiores fortunas de família da história dos Estados Unidos, morreu nesta segunda-feira, aos 95 anos, disse o filho dela Anderson Cooper, que é correspondente da rede CNN.

A emissora disse que Gloria faleceu em casa entre familiares e amigos. Cooper disse que ela soube que tinha câncer de estômago neste mês.

Vanderbilt se tornou um ícone da moda nos anos 1970 e 1980 com uma linha homônima de blue jeans justos que levavam sua assinatura e seu logotipo de cisne característico. As peças se tornaram indispensáveis para qualquer mulher que aspirasse a ter estilo.

“Se você estava por aqui no início dos anos 1980 era bem difícil não ver o jeans que ela ajudou a criar, mas essa era sua face pública — aquela atrás da qual ela aprendeu a se esconder quando criança”, disse Cooper na CNN. “Seu eu privado, seu verdadeiro eu, esse era muito mais fascinante e mais adorável do que qualquer coisa que ela mostrasse em público.”

Gloria Vanderbilt escreveu que, quando era menina, cogitou se tornar freira, o que teria sido uma perda incrível para os cronistas da alta sociedade e dos tumultos das celebridades. Em vez de um convento, ela viveu uma vida que poderia render enredos a dezenas de novelas, romances, musicais da Broadway e filmes lacrimosos.

Ela já nasceu rica em 20 de fevereiro de 1924, na cidade de Nova York. Ela era a bisneta de Cornelius Vanderbilt, magnata das ferrovias e da navegação do século 19, que acumulou uma das maiores fortunas da época.

Ela ainda não tinha 2 anos quando seu pai, Reginald Claypoole Vanderbilt, morreu, e passou muitos dos anos seguintes morando na Europa com a mãe, Gloria Morgan Vanderbilt, graças a seu fundo, estimado em US$ 2,5 milhões – o equivalente a, ao menos, US$ 33 milhões hoje.

Gloria se aventurou como atriz, pintora, poeta e modelo antes de a marca de cartões de visita Hallmark comprar parte de suas obras de arte para decorar artigos de papel, no início dos anos 1970. Seu trabalho também adornou uma coleção de echarpes antes de ela iniciar a linha de jeans e expandir para perfumes, calçados, artigos de couro e acessórios. Em 1978, ela vendeu a marca Gloria Vanderbilt e abriu outra empresa de moda.

Em 1993, ela venceu um julgamento de US$ 1,5 milhão contra seu advogado e psiquiatra, alegando que ele a roubou. Como o advogado de Gloria, ele deixou de pagar os impostos dela durante vários anos. Ela devia tanto à Receita Federal que teve que vender uma casa de verão de Southampton e outra na cidade de Nova York. 

Tudo o que sabemos sobre:
modaGloria Vanderbilt

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.