<i>Colônia Cecília</i> lembra história dos anarquistas no Paraná

A platéia do Guairinha, a sala menor do Teatro Guaíra, foi tomada por uma certa nostalgia na noite da quinta-feira, 22, na abertura do Festival de Teatro de Curitiba. No palco, um grande elenco dirigido por João Luiz Fiani e liderado pelo ator Enéas Lour revivia o sonho de cem imigrantes italianos que, em 1890, fundaram no interior do Paraná a Colônia Cecília, experiência única no Brasil, a criação de uma comunidade organizada em moldes anarquistas, desde a abolição da propriedade privada até ao estabelecimento do amor livre. Mas não era só a temática - ah, os tempos em que ainda se acreditava na luta por um mundo melhor - que unia palco e platéia num mesmo clima de saudade. Segundo a própria autora da peça Colônia Cecília, Renata Pallotini, que mora em São Paulo e foi especialmente convidada para a estréia, a mais bonita encenação de seu texto foi realizada em Curitiba sob direção de Ademar Guerra. No elenco daquele espetáculo, estava a grande atriz paranaense Lala Schneider, morta aos 80 anos, no último dia 28 de fevereiro, e que foi lembrada ao término dessa nova montagem do musical.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.