<i>Cahiers</i>, bíblia francesa do cinema, ganha versão online

A influente revista francesa de cinema Les Cahiers du Cinéma lançará esta semana a e-Cahiers, versão online em língua inglesa da publicação mensal, que vem sendo impressa há quase 60 anos, de acordo com a revista Hollywood Reporter. A edição de março da Cahiers du Cinéma chega às bancas francesas na quarta-feira e sua tradução inglesa estará disponível na web a partir da sexta-feira no endereço www.e-cahiersducinema.com. A editora da revista espera conseguir 3,5 mil assinaturas plenas até o final do ano, mas as edições também poderão ser adquiridas individualmente por 5 dólares cada. A edição impressa francesa vende cerca de 25 mil exemplares mensais. Mas o que levou a venerável revista francesa - no passado dirigida por um coletivo maoísta - a cortejar o mercado anglo-saxônico? "A Les Cahiers goza de grande reconhecimento internacional há muitos anos", disse seu editor chefe, Jean-Michel Frodon. "Hoje a Internet nos oferece a possibilidade de disponibilizá-la em todo o mundo. É um enorme mercado novo, é claro, mas é também a possibilidade de fazer ouvir uma voz original e criteriosa, baseada no amor pelo cinema e na crença de que, através dele, podemos chegar a uma compreensão melhor do mundo." Time de tradutores A Les Cahiers foi co-fundada em 1951 pelo crítico de cinema André Bazin e é vista como responsável por reinventar as bases da crítica de cinema e por formular a teoria do cinema de autor. Entre seus ex-colaboradores figuram muitos dos cineastas que acabaram criando a Nouvelle Vague do cinema francês, incluindo Eric Rohmer, Jean-Luc Godard e François Truffaut. A primeira edição eletrônica em inglês contém artigos sobre Jacques Rivette (que já foi editor da revista), seriados de TV americanos recentes e o cinema armênio, além de resenhas de alguns títulos do Festival de Berlim, como La Vie en Rose e The Witnesses. Os leitores familiarizados com o conteúdo de alto nível da Les Cahiers talvez se perguntem se algo não se perderá na tradução, quando os melhores críticos franceses tiverem sua prosa vertida para o inglês. "Acreditamos que os leitores da língua inglesa não são menos capazes de reflexão do que os franceses", disse Frodon. "Nossa equipe de 18 tradutores é composta de pessoas familiarizadas com a maneira de pensar e escrever da Les Cahiers e fará todo o possível para garantir que a versão inglesa seja o mais fiel possível ao original." A empresa que publica o jornal Le Monde adquiriu uma participação controladora na Les Cahiers du Cinéma em 2000.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.