Ibope cresce mas "Metamorphoses" se perde

Os índices de audiência mostram que a estréia da novela Metamorphoses fez bem para a TV Record, garantindo à emissora 11 pontos no ibope, chegando a 17 pontos nos momentos de pico. Antes, a emissora tinha entre 5 a 6 pontos, exibindo futebol ou a série Um Mundo Perdido. No mesmo horário, a rede Globo teve média de 33 pontos e o SBT de 16. A novela da Record é melhor do que indicavam as perspectivas de uma história que se mete a misturar cirurgia plástica de verdade com transplante de face e máfia japonesa. Tecnicamente, Metamorphoses impressiona: tem iluminação melhor que a média das novelas e chega a lembrar até o bom Mulher, seriado que a Globo produziu durante dois anos, com Eva Wilma e Patrícia Pillar. As semelhanças, no entanto, ficam apenas no terreno estético e vêm à tona principalmente pelo bom trabalho de iluminação/ fotografia e pelo fato de a historinha da vez também se passar numa clínica.O caso é que em telenovela aquele negócio de que uma imagem pode valer mais que mil palavras não tem o menor efeito ? ou as produções do gênero made in Colômbia, México ou Venezuela, tão esteticamente pobrinhas, não teriam o sucesso que alcançam. Falta liga em Metamorphoses. A passagem de uma cena para outra não tem qualquer costura. Não há intimidade entre pai (Paulo Betti) e filho, entre mãe e filha (Joanna Fomm e Talita Cardoso), entre os noivos (o japonês Kissei Kumamoto e a excelente Lygia Cortez) ou entre os amantes (Luciene Adami e David Cardoso Jr.). No primeiro capítulo, as três seqüências de cenas de amor exibidas irromperam na tela do nada, sem clima algum: uma na porta da igreja, outra num sofá e outra entre os recém-casados, num quarto de hotel supostamente localizado em Tóquio. Do nada, o macho parte para cima da fêmea, sem prefácio, como se os produtores da novela lembrassem, de repente, que é preciso justificar a palavra ?amor? estampada no logotipo. Nesse ímpeto, a rede que se intitula ?emissora da família? se permitiu exibir um close de Mifune (Kumamoto) abocanhando os mamilos da mulher, a doutora Circe (Lygia), numa novela com classificação indicativa ok para as 8 da noite. Não vai aqui nenhum moralismo. É questão técnica mesmo: o imaginário da platéia desse veículo, nesse horário, é quem se encarrega de completar as cenas que lhe convém na sua sala de estar, sem qualquer risco de constrangimento diante de suas companhias na ocasião, velhinhos, crianças, cachorro ou papagaio. Antes disso, um outro close de seios mostrou a atriz-personagem Talyta Cardoso (a moça atende pelo próprio nome na história) por todos os ângulos. A justificativa, então, é plenamente aceitável pelo contexto de alguém que vai se submeter a uma cirurgia plástica e não quer inflar demais os seios de silicone.A necessidade de se criar um suspense de folhetim logo no primeiro capítulo e a urgência de apresentar os personagens da história criaram por vários momentos a sensação de que este primeiro capítulo era um trailler de filme. Para tanto, pesa aí, no melhor sentido, as mãos de cineasta de Tizuka Yamasaki. Aquelas seqüências mais isoladas do contexto cheiraram a videoclipe ou a comercial, como o episódio do acidente de carro que abriu a história, largado lá para trás, sem qualquer explicação ao público.E, no sentido contrário ao senso estético, o conteúdo é todo primário, maniqueísta sem pudor. Tem a médica boazinha e honesta, ao lado da irmã invejosa e má; o policial que pensa na ?comunidade? na hora da blitz e a velha louca que diverte a família com suas gafes espontâneas.E se algumas regras para fisgar audiência no primeiro capítulo são seguidas à risca ? tiroteio e explosão de carro (explosão de computador, bem visto), outros truques foram atropelados sem dó. A música de abertura é de um anti-clímax inimaginável.Mas, entre boas e más performances, a maestria de Lygia Cortez é tudo-de-bom. Ela torna o texto um produto bem melhor do que ele realmente é. Bom também é ver Gianfrancesco Guarnieri, Zezé Motta e Myriam Muniz em cena. Quanto ao noivo japonês, legendas em português seriam urgentemente bem-vindas. Entender o que ele diz demanda muito esforço.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.