IBGE mapeará consumo e produção cultural

Até o fim do ano que vem, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) terá agrupados numa só rubrica dados do consumo e produção cultural, hoje espalhados em várias pesquisas que realiza, como a PNAD, de amostragem domiciliar. Um convênio nesse sentido foi assinado ontem pelo ministro da Cultura, Gilberto Gil, e o presidente do IBGE, Eduardo Pereira Nunes. A última coleta de dados ampla e específica da área feita pelo Instituto data de 1985.A criação de uma rubrica específica para a cultura nas estatísticas do IBGE é uma das primeiras reivindicações de Gil ao assumir o MinC. "Para planejar e dar visibilidade ao setor é fundamental ter um sistema de informações organizado sobre a cultura, de seu consumo, produção e redes de abastecimento. Precisamos da economia e da sociologia da cultura, ou seja, quem, quanto e como se consome e produz cultura no País e quais são os meios em que isso acontece", disse o ministro, lembrando que o convênio não implica em despesa para nenhum dos envolvidos. "Está dentro da margem de espaço de atuação que independe da obtenção de recursos."Pereira Nunes lembrou que Gilberto Gil quer uma rede de informações sobre cultura entre os países latino-americanos, a exemplo do que já existe em outras áreas, como economia e demografia, e incluí-la como item nas pesquisas conjunturais, cujos resultados são divulgados mensalmente. "De imediato é difícil atendê-lo, mas há dados dispersos que podem dar um retrato do setor", disse o presidente do IBGE. "Além disso, os outros países da América Latina têm essas informações ainda menos sistematizadas que o Brasil."Já na semana que vem, equipes do MinC e do IBGE começam a traçar a metodologia da pesquisa sobre cultura e também em que áreas a sistematização dos dados é mais urgente. "Dentro de 12 meses teremos alguma pesquisa terminada, mas esse é um processo que leva anos para se completar", concluiu Pereira Nunes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.