Ian McEwan reconhece ter usado livro ´para pesquisa´

Ian McEwan, um dos escritores britânicos mais conhecidos e elogiados, foi acusado de copiar frases e sentenças da autobiografia No Time for Romance (1977), de Lucilla Andrews, para o seu romance best-seller Reparação (2001). A disputa coincide com a rodagem do filme Reparação, baseado no romance de McEwan, com Keira Knightley no papel principal.No Time for Romance está fora de catálogo e Lucilla morreu, no mês passado, aos 86 anos. No entanto, a dívida de McEwan com a autora foi brevemente reconhecida em uma nota no epílogo de Reparação, que se refere à autobiografia de Lucilla, entre diversos outros trabalhos. McEwan disse, na segunda-feira, nunca ter procurado disfarçar o fato de ter usado o livro de Lucilla para pesquisa. Desta forma, o tópico posto em discussão foi se a semelhança entre algumas frases deveria ser classificada como cópia ou uma forma de pesquisa.Julia Langdon, jornalista britânica que comparou os livros para um artigo no jornal The Mail on Sunday e traçou um amplo quadro de semelhanças entre eles, afirmou: "Eu não estou acusando McEwan de plágio. Estou apenas assinalando que ele foi descortês por não ter dado mais atenção ao caso enquanto Lucilla ainda estava viva." Já Jenny Haddon, diretora da Associação Britânica de Autores Romancistas, que conheceu Lucilla, acredita que tenha ficado claro que a resposta da autora a tudo isso foi: "Eu não estou nem aí."Lucilla, que morreu de câncer em outubro, foi uma produtiva escritora de 35 romances, uma vez descrita pelo jornal The Guardian como "líder em ficção sobre temas hospitalares" por seu trabalho com temas médicos e seu respectivo cenário. Nascida em Suez, no Egito, ela se formou como enfermeira e trabalhou no Hospital St. Thomas de Londres durante a 2.ª Guerra Mundial - assim como Briony Tallis, protagonista de Reparação, que também trabalha em um hospital em uma época de guerra.McEwan, de 58 anos, admitiu ter usado o livro de Lucilla como fonte de pesquisa, assim como se utilizou das memórias de guerra de seu pai. "O que eu fiz foi usar descrições de testemunhas para depois filtrá-las e adorná-las dentro da cabeça dos personagens", admitiu ele. Em seu romance de estréia, O Jardim de Cimento (1996), também foram encontradas semelhanças com a obra Our Mother´s House (1963), de Julian Gloag, que McEwan garantiu nunca ter lido.O autor disse que o barulho produzido pela mídia em torno das semelhanças entre as frases foi "uma grande surpresa". "Eu realmente utilizei eventos reais que Lucilla descreveu em No Time for Romance. Mas até onde eu sei, meu vocabulário foi distinto do dela", completou. McEwan arrepende-se apenas por não ter conhecido Lucilla pessoalmente, que acredita ter sido "uma maravilhosa mulher".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.