Renata de Pauloa / Divulgação / RedeTV!
Renata de Pauloa / Divulgação / RedeTV!

Humor sem controle

Após 8 meses longe da TV, Rafinha Bastos estreia na RedeTV! com Saturday Night Live brasileiro

ALLINE DAUROIZ, O Estado de S.Paulo

20 de maio de 2012 | 03h08

Após meses de críticas, geladeira da Band e um processo nas costas (por dizer, no CQC, que "comeria" Wanessa Camargo "e o bebê" que ela esperava), Rafinha Bastos tem certeza de que está dando a volta por cima. No próximo domingo, o humorista estreia no comando da versão brasileira do Saturday Night Live (SNL), pela RedeTV!, e, em junho, lança o programa A Vida de Rafinha Bastos, no canal pago FX. "Tive a sorte, este ano, de fazer as duas coisas que sempre quis na vida: uma série de ficção e o SNL. Acho que saí ganhando dessa brincadeira toda. Chupa, sociedade!", alfinetou Rafinha, em entrevista coletiva do SNL, na última quarta-feira.

Longe da TV há oito meses, o humorista garante que voltar ao ar não significa nada para ele. "Nunca fui desesperado por estar no ar. Isso é coisa de ex-BBB. Não tenho aquela coisa de 'preciso estar no ar, então vou ser assistente de palco do Dr. Rey'", disse, fazendo piada com o colega da nova emissora. "O que quero é fazer projetos legais."

Parceria com a Endemol Brasil, a versão nacional do Saturday Night Live, segundo Rafinha, será fiel ao formato original (leia mais nesta página), com 60% do programa feito de esquetes de humor gravadas e, o restante, de esquetes e quadros ao vivo, com piadas dos principais acontecimentos da semana. A cada edição, um famoso convidado serve de apresentador, acompanhado por uma atração musical. Haverá também uma banda fixa, a Kings de la Noche que, assim como a original, tem 11 integrantes.

Como produtor executivo do programa, Rafinha também ajudou a escalar os colegas da cena do stand up para a equipe de humoristas da atração. Assim, foram contratados: Fernando Muylaert (ex-Multishow e SBT), Marcela Leal (ex-Nickelodeon, Multishow e Band News TV), Marco Gonçalves e Anderson Bizzocchi (do É Tudo Improviso, da Band), Carla Candiotto (fundadora da cia. de teatro Lê Plat du Jour), Cláudio Carneiro (palhaço do Circo de Soleil), Randy Landucci (ex-Show do Tom e Piadaria, da Mix TV), Renata Gaspar (da série Descolados, da MTV) e Carol Zoccoli (finalista da seleção que escolheu Mônica Iozzi para o CQC), que também é chefe de roteiro do programa.

Apesar do "saturday" no nome, a atração vai ao ar aos domingos, com a difícil tarefa de concorrer com o Pânico - o humorístico vem registrando ótimos 10 pontos para a Band.

Rafinha explica a gafe: "Bati o pé pra ser no sábado, mas tem questões mercadológicas que vão além das minhas possibilidades. Sábado à noite não é aprazível para anunciantes", diz. Segundo a Endemol, em outros países, as versões do SNL não têm dia fixo para ir ao ar. "E quando a grife pega, não tem problema. O Terça Insana faz show no Brasil inteiro de sábado e domingo. E a gente vai confiar que o brasileiro não sabe que saturday é sábado", brinca Rafinha.

Sem mea-culpa. No último ano, Rafinha experimentou os dois extremos da fama que construiu por suas piadas ferinas. Em março do ano passado, chegou a ser eleito pelo jornal The New York Times a pessoa mais influente do Twitter no mundo, à frente de personalidades como Barack Obama e Lady Gaga. Já em maio passado, causou polêmica ao declarar à revista Rolling Stone que "mulheres feias deveriam agradecer caso fossem estupradas, afinal, os estupradores estavam lhes fazendo uma caridade". A frase gerou inquérito do Ministério Público, que entendeu se tratar de apologia ao estupro.

Desde a saia justa com Wanessa, o humorista tem evitado a imprensa, chegou a insultar repórteres por e-mail e só falou a Marília Gabriela (no SBT) porque, segundo ele, a jornalista teria aceito participar do programa A Vida de Rafinha Bastos.

Rafinha, porém, não tem como fugir das entrevistas coletivas para divulgar seus novos programas. E é nelas que ele demonstra não ter superado o bombardeio de críticas por suas piadas infelizes. "Nenhuma das polêmicas que aconteceram foi pelo que eu disse, mas pela repercussão. O que eu falo, entra por um ouvido e sai pelo outro. Quando vocês (imprensa) descontextualizam a frase, aí a m... nasce. Então, a polêmica só depende de vocês (jornalistas). Não é de mim."

Em sua nova empreitada na TV aberta, porém, o humorista diz não querer polemizar, mas reconhece que isso "será inevitável". "Não pretendo ofender muito as pessoas, mas humor não pode ter controle."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.