Humilhação é nova "arma" da TV americana

A TV americana parece estar em uma nova fase: a da programação "espírito-de porco". São atrações para todos os gostos e em todos os canais. De pegadinhas a privações, de exploração a humilhação, a tendência geral é de um certo sadismo na telinha, em game shows e competições. Novas (e duvidosas) idéias capitalizam em cima da exploração e da ridicularização de pessoas normais. O público, por sua vez, é cada vez mais infantilizado pelas emissoras, porque sensacionalismo barato é sinônimo de audiência fácil. Quem pode, tem TV a cabo - e mais opções de fugir da "realidade".A estréia da semana é Spy TV, da NBC. O novo programa é uma espécie de Pegadinhas do Faustão, mas com ainda mais maldade. O programa apresentado por Michael Ian Black (do seriado Ed) tem uma câmera escondida que filma pessoas comuns em situações constrangedoras. No episódio de estréia, um sujeito sai para um test-drive com um vendedor (na verdade, um dublê) da concessionária. O empregado quase atropela um ciclista e foge em alta velocidade de um carro (falso) da polícia. O passageiro não pára de gritar, em pânico total. A explicação é a de que ele é um motorista irresponsável e precisava de um susto.Fear Factor (NBC), que entrou no ar no início do mês, dá prêmios semanais de US$ 50 mil para os competidores que conseguirem cumprir tarefas como passar um determinado tempo em uma vala cheia de ratos. Em uma hora, um grupo de três homens e três mulheres tem de superar testes como ser arrastado por um cavalo ou pular de um caminhão em movimento. Críticos de TV ficaram assustados com o nível das tarefas. Adjetivos como "humilhante" e "revoltante" já foram dados ao show, que tem tido bons índices de audiência.Também é da NBC outro show que aposta na humilhação dos candidatos. Em Weakest Link, a afronta é intelectual. O sucesso do programa está ligado, principalmente, à britânica Anne Robinson, que virou celebridade rapidamente nos Estados Unidos. A jornalista, que também apresenta a versão da BBC, chegou a ser capa do jornal New York Post, que chamava a apresentadora de "esnobe, arrogante, insuportável" e, para concluir, "a mulher mais odiada da América".O show, que já foi chamado de uma mistura de Who Wants to Be a Millionaire com Survivor, começa com oito competidores, que respondem a rounds de perguntas de conhecimento geral. No final de cada round, os participantes têm de colocar para fora um de seus concorrentes. Há apenas um vencedor, que leva todo o dinheiro ganho pelo grupo. Para os outros, restam apenas bordões como "Você é o elo mais fraco, adeus!", "Você vai embora com nada!" e por aí vai.A Fox corre por fora com um dos programas mais criticados da TV americana. Temptation Island, que causou polêmica no início deste ano, volta em breve ao ar. A emissora procura atualmente os casais de namorados que vão querer testar a fidelidade de seus parceiros. Os "casados" vão passar uma temporada em algum resort com solteiros bonitões (homens e mulheres) que têm como objetivo seduzi-los e acabar com seus relacionamentos. Não vale gente casada de verdade, nem com filhos. Pois até a baixaria na TV tem seus limites.Do gênero sadismo no amor, a emissora UPN tem um dos programas mais absurdos. É Chains of Love, em que uma pessoa é acorrentada a quatro pretendentes do sexo oposto, que querem você e o eventual prêmio final em dinheiro. Juntos, os cinco fazem de tudo: cozinham, tomam banho, passeiam e até dormem (em uma cama feita por encomenda). Com o contato tão "próximo", você conhece rapidamente seus pretendentes. A cada dia, tem de se livrar de um deles, com direito a um discurso. Quanto mais cruel, melhor.Na MTV, faz bastante sucesso o programa que pode ter ajudado no desenvolvimento de todos os outros. Jackass tem pessoas "normais" vomitando, promovendo "pegadinhas" ou fazendo idiotices perigosas. A série, apresentada por um VJ/dublê chamado Johnny Knoxville, mostra cenas variadas que desafiam o bom gosto e a segurança dos envolvidos. Cenas já apresentadas: rapaz mergulha em uma piscina de esterco; homem em restaurante coloca cocô de cachorro na comida e reclama para o garçom; menino engole peixe dourado, coloca o dedo na garganta e vomita o bicho ainda vivo; etc.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.