Hot Spot põe em cena novos estilistas

Durante três dias, o evento Amni Hot Spot apresentou os desfiles de nove estilistas, de várias partes do País, a maioria vinda de faculdades de moda, com alguma experiência profissional. Em parceria com a Coordenadoria da Juventude da Prefeitura de São Paulo, o evento, que pretende ser um celeiro de talentos jovens e excluídos, abriu na segunda feira com show de rap e desfile da marca de periferia voltada à comunidade negra 4P - Poder Para o Povo Preto -, dos rappers Xis e Kl Jay. Diante de uma platéia de profissionais da moda, a 4P, uma Gap voltada aos negros, abriu o Hot Spot com sua "moda de resistência da rua". A novidade foi o masculino com suas exageradas proporções das calças e bermudões de brim com cós ultrabaixo e pernas largas, nos moldes dos rappers americanos. Cyber e navalhadasO primeiro desfile oficial, o da paulistana Fábia Bercsek, 22 anos, ex-assistente de Herchcovitch, foi morno. As peças mais interessantes de Fábia, ex-produtora da revista Elle, foram seus jeans navalhados em quadros. O gaúcho Marcelo Bohrer, 25 anos, apresentou uma coleção ao estilo cyber básica, batizada Visgo, "marca de roupas cyberorgânicas para a e-generation", explicou, com formas amplas, saliências Jetsons nos ombros, neoprenes e emborrachados.Outra boa coleção foi a do cearense Deoclys Bezerra, 26 anos, assistente de Walter Rodrigues - roupas de formas helênicas em tons de pele, preto e rosa pálido, adornadas com acessórios de Charlote Maluf e styling de Dudu Bertholini. O paulista Jefferson de Assis, 24 anos foi o mais conceitual dos participantes. Com influências do belga Martin Margiela e do cipriota Hussein Chalayan, Assis desfilou sua moda do avesso, sem acabamentos, baseada na técnica de moulage (modelagem em manequim) com volumes escultóricos, rígidas telas e tecidos-papel, e o exercício de dobraduras que envelopam a anatomia. Foi o ponto alto do evento.Érica Ikezili, 24 anos, a mais experiente dos participantes, trabalhou uma coleção fusion jap-ocidental, baseada no quimono e obis (cinto das gueixas), com debruns acolchoados e saias-envelopes com pesponto branco, robusto e contrastante.O paulistano Samuel Cirnansck, 25 anos, mandou ver numa heroína transgressora, glamurosa, sexy e decadente, influenciada pelo francês Thierry Mugler com tachas, rendas, pingentes de cristal e adereços em talheres (!) e taças francesas. Autor dos figurinos dos personagens de Caio Blat, Cássio Gabus Mendes e Angélica na novela Um Anjo Caiu do Céu, ele apresentou, só no showroom, uma coleção de camisetas, camisas e tops. Mão na malhaA paulista Emilene Galende, 23 anos, ofereceu a delicada surpresa das malhas retilíneas elaboradas em lavagens stonadas e aerografadas, em malha acordeão, ponto meia-malha e detalhes em crochê, bordados com micropérolas. Galende provou que tem a arte da malharia. Outro desfile delicado foi o do paulista Wilson Ranieri, 22 anos. Com trancinhas rastafári de tecido, ele criou contornos femininos e desenhos tridimensionais sobre tops, que completavam peças drapeadas e esvoaçantes mangas-pelerine, que passeavam em vestidos anos 1920. O evento fechou em festa com o desfile de Walério Araújo, com seu mulherão que peca em estilo e carrega na pose. Com rendas pretas, vestido e saia em pérolas, mas boas transparências dos blazers, Araújo, sempre de salto alto, criou estampas em clima anos 1980 da Yes Brasil, com rosas vermelhas e pérolas sobre fundo preto e na de orquídeas que gotejam sangue lilás. Paulo Borges, organizador do evento, ressaltou a importância do apoio continuado que será dado por dois anos aos jovens selecionados. A cada seis meses, eles desfilarão suas coleções no Hot Spot. No primeiro semestre a produção estará voltada para o varejo dentro do Mercado Mundo Mix, que absorverá de 600 a 1.200 peças de cada estilista.Erros pedagógicosPara a única estrangeira convidada, Marie Rucki, professora da escola de moda Studio Berçot, de Paris, é normal que coleções de estreantes tenham erros. "Os estilistas têm que aceitá-los e evitar que o apoio lhes suba à cabeça. Um estilista só começa a se firmar após dez anos, acumulando experiência e errando com seriedade e humildade."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.