Honoré, Clint e o samurai Tom Cruise

As Aventuras de Sharkboy e Lavagirl

LUIZ CARLOS MERTEN, O Estado de S.Paulo

11 Julho 2012 | 03h08

16H05 NA GLOBO

(The Adventures of Sharkboy And Lavagirl). EUA, 2005. Direção de Robert Rodriguez, com Taylor Lautner, Taylor Dooley, Cayden Boyd, George Lopez, David Arquette, Kristin Davis.

Garoto refugia-se num mundo de fantasia para fugir às agruras de sua vida de verdade. Ele cria um diário de suas aventuras nessa outra dimensão. E ocorre de ser tragado para dentro delas. Na linha de História Sem Fim, de Wolfgang Petersen, o diretor tex-mex Rodriguez segue com as fórmulas infantojuvenis que têm recheado sua conta bancária na série Pequenos Heróis. Simpático, mas não espere grande coisa. Reprise, colorido, 93 min.

A Bela Junie

22 H NA CULTURA

(La Belle Personne). França, 2008. Direção de Christophe Honoré, com Louis Garrel, Léa Seydoux, Grégoire Leprince-Ringuet, Chlotilde Hesme, Chiara Mastroianni, Esteban Carvajal-Alegria.

O horário da Mostra resgata o belo filme do francês Honoré sobre garota que acaba de perder a mãe e vai estudar na escola do primo, tornando-se objeto de desejo dos amigos do rapaz (e até do professor de letras). Honoré, o mais nouvelle vague dos autores franceses de sua geração, fez um Malhação intelectualizado, mas que nem por isso deixa de refletir a juventude da França, com suas crises de identidade e passos rumo ao amadurecimento. O programa é tanto mais atraente porque depois de amanhã está programado para estrear o novo longa do cineasta - As Bem-Amadas, com Chiara Mastroianni e Catherine Deneuve. Ou seja, mãe e filha. Reprise, colorido, 93 min.

As Férias do Mr. Bean

0 H NA RECORD

(Mr. Bean's Holliday). EUA, 2007. Direção de Steve Bendelack, com Rowan Atkinson, Willem Dafoe, Max Baldry, Clint Dyer.

Mr. Bean ganha uma semana de férias no Sul da França e, munido de uma filmadora, embarca para Cannes, justamente na época em que a cidade abriga o festival de cinema mais famoso do mundo. Na estação, Mr. Bean conhece cineasta russo que vai ser jurado em Cannes e, ao cabo de muitas confusões, sequestra o filho do diretor (ou pelo menos isso é o que ele pensa). O humor de Rowan Atkinson não é para todos os gostos, mas, se você gosta dele, poderá se divertir. Reprise, colorido, 90 min.

TV Paga

As Cores da Montanha

16H50 NO TELECINE CULT

(Los Colores de la Montaña). Colômbia, 2010. Direção de Carlos César Arbeláez, com Hermán Mauricio Ocampo, Nolberto Sánchez.

Em plena abertura do Festival de Cinema Latino-Americano (leia nesta edição), surge drama colombiano sobre garoto que se arrisca tentando resgatar bola de futebol que caiu num campo minado. Bom programa, vencedor de vários prêmios internacionais, Reprise, colorido, 90 min.

Os Imperdoáveis

17H45 NO MAX

(Unforgiven). EUA, 1992. Direção e interpretação de Clint Eastwood, com Gene Hackman, Morgan Freeman, Richard Harris, Frances Fisher.

Vencedor dos Oscars de melhor filme, direção, ator coadjuvante (Gene Hackman) e montagem, este western se mantém como um dois grandes trabalhos do astro Eastwood, cada vez mais colocado em xeque como ícone de Hollywood. O próprio Clint faz o pistoleiro que se aposentou e pega em armas por dinheiro, contratado para caçar o sujeito que retalhou uma prostituta. Eastwood coloca em discussão a moralidade e a hipocrisia do Velho Oeste, encara a proximidade da morte e oferece um grande papel a Hackman, como o xerife autoritário e sádico. Pode-se pensar que esse personagem 'excessivo' foi a matriz para o que o próprio Hackman criou em Rápida e Mortal, de Sam Raimi, com Sharon Stone, só que lá o tom é de paródia (e o filme é muito bom). Reprise, colorido, 127 min.

O Último Samurai

22 H NO MAX PRIME

(The Last Samurai). EUA, 2003. Direção de Edward Zwick, com Tom Cruise, Ken Watanabe, Tony Goldwyn, Timothy Spall, Masato Harada.

Os filmes do diretor Zwick são tradicionais - como dramaturgia e realização -, mas nem por isso se devem negar suas qualidades. Diamante de Sangue tem a que talvez seja a melhor interpretação de Leonardo DiCaprio, apesar de todos os seus filmes com Martin Scorsese. Aqui, o diretor mirou a grandeza dos épicos de sabre do mestre Akira Kurosawa. Não fez nenhum Kagemusha - com o qual se aparenta -, mas as cenas de batalhas são bem encenadas e a história é bonita. Tom Cruise faz o veterano da Guerra Civil contratado para organizar o Exército do imperador japonês, que enfrenta uma rebelião de samurais. Cruise é sequestrado pelo grupo dissidente de Ken Watanabe. Terminam por se respeitar, como guerreiros, e o estrangeiro vira samurai, combatendo o Exército que deveria liderar. Cruise tem sido atraído por esses papéis maiores que a vida - outro exemplo: Walkiria. O que ameaça acabar com ele é a cientologia. Agora mesmo, há uma batalha surda no tribunal pela guarda de Suri, a filha de Cruise com Katie Holmes. Um acordo foi costurado às pressas para evitar a lavagem de roupa suja, que poderia prejudicar o astro e sua igreja, já alvo de tantas denúncias e processos. Reprise, colorido, 154 min.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.