Homem de Mario Queiroz vem embriagado de cultura

Guerra? Tumulto? Briga? Não, só Fábio Assunção chegando, com jeitão de Renato Mendes, para ver a coleção masculina de Mário Queiroz, quarto a mostrar coleção por aqui hoje. Coitadinho do Murilo Rosa, que também estava lá... Quase não sobra um flash para ele. E para o apresentador Otaviano Costa, então, vixe!!! Por pouco não passou despercebido. Tirando o tititi da platéia, na passarela, Mário Queiroz levou o discurso do "novo homem" às últimas conseqüências (ou quase). Um rapaz apaixonado, embriagado de cultura (e um bocado de vinho) e rato de biblioteca, foi se revelando aos poucos. A roupa tem um quê empoeirado, guardado. As rolhas do vinho que ele bebe viram colar, cinto, adereço. O inverno 2004 de M.Q. tem fixação pelo decote V, e também por golas irregulares. O desfile caminha sem grandes arroubos, com tricôs,calças e jaquetas bem-feitos e vendáveis. Até que da metade para o fim começam a surgir uns abusos, como a camiseta de manga removível (com zíper), o tom de telha, bordadinhos, shortinhos de veludo e de estampas florais, até uma calça de oncinha vermelha fluor, um macacão com gola de camisa e um terno de veludo molhado azul. Tudo isso enquanto um modelo, coitado, fica lá no fundo da cena, fingindo beber e tendo um ataque, rasgando livros, ouvindo Vinícius de Moraes a declamar dores de amores. Veja galeria do SPFW

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.