Hoje na TV, um tributo ao gênio de Kurosawa

Toshiro Mifune, crivado de flechas, urra freneticamente no desfecho de Trono Manchado de Sangue. A adaptação de Macbeth, por Akira Kurosawa, é um dos filmes mais polêmicos do diretor. Não apenas ele foi acusado de exagero, como muitos críticos também acham que traiu Shakespeare. Afinal, Macbeth é a tragédia de um tirano capaz de gestos degradantes, mas que se redime ao morrer com honra.A cena final de Trono, projetada num imenso painel eletrônico, num bairro movimentado de Tóquio, abre o documentário que o Cinemax, da TVA, mostra hoje às 15h30. Akira Kurosawa - O Último Imperador é um tributo ao grande artista que morreu em 1998. Dá a palavra ao próprio Kurosawa, a críticos (o especialista Ronald Ritchie) e a colaboradores (a atriz de Trono) para reconstituir a trajetória do mestre do cinema japonês. Dois dos melhores depoimentos são de James Coburn, que interpretou, em Hollywood, a refilmagem de Os Sete Samurais (Sete Homens e um Destino) e Clint Eastwood, que estrelou o spaghetti western de Sergio Leone adaptado de Yojimbo. Há cenas lindas. Quando a viúva de Kurosawa, seguindo uma velha tradição, joga água sobre o nome do mestre, na lápide do cemitério, não há como não evocar a cena mais emocionante de Rapsódia de Agosto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.