Imagem Luis Fernando Verissimo
Colunista
Luis Fernando Verissimo
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Hitchcockianos

Conheceram-se num festa e não demorou para descobrirem uma afinidade: os dois adoravam os filmes do Alfred Hitchcock. Divergiam em algumas coisas - ele, por exemplo, achava inverossímil a cena em que a Grace Kelly mata um homem com uma tesourada nas costas, em Disque M para Matar, ela achava perfeitamente possível. O Hitchcock favorito dela era Um Corpo Que Cai, embora já tivesse visto Janela Indiscreta umas 500 vezes. E o Hitchcock favorito dele?

LUIS FERNANDO VERISSIMO, O Estado de S.Paulo

23 de junho de 2013 | 02h20

- Os Pássaros.

Ela fez uma cara feia.

O encontro seguinte foi numa loja de vídeos. Ele mostrou:

- Olha o que eu achei...

Era Notorius. Aquele em que a Ingrid Bergman e o Cary Grant se encontram na Cinelândia e concordam que o Rio é muito chato. Ela mostrou o filme que tinha alugado. Os Pássaros. Iria rever para ver se desta vez gostava.

- Você não é obrigada a gostar porque eu gosto.

- Quero lhe dar outra chance - explicou ela, rindo.

No encontro seguinte, ele disse que Notorius tinha envelhecido um pouco. E perguntou o que ela tinha achado dos pássaros.

- Sei não... - disse ela

- Acho que vamos ter que ver juntos - disse ele.

- No seu apartamento ou no meu?

Foi na noite seguinte. Apartamento dela. Ela tinha uma amiga loira chamada Rute, muito parecida com a Kim Novak, que diplomaticamente ficou no seu quarto enquanto eles viam Os Pássaros na sala. Os Pássaros, argumentou ele, é o filme metafísico de Hitchcock. O único filme de terror na história do cinema que não tem vilões. O vilão é o mundo, é a natureza vingando-se do homem, é uma ordem pré-humana desarrumada que reage ao... Antes de terminar a exegese eles estavam se beijando.

Passaram a se ver quase todas as noites. No apartamento dela porque a TV dela era maior. Só viam Hitchcock. Às vezes discutiam.

- Disque M para Matar é um Hitchcock menor.

- O quê?! O quê?!

Passavam alguns dias sem se ver. Aí ele batia na porta dela com uma raridade que encontrara (Sabotagem, por exemplo) e faziam as pazes.

Ela se apaixonou por ele. Que de tanto frequentar o apartamento dela também se apaixonou. Não por ela, mas pela Rute, sua amiga irresistivelmente hitchcockiana. Foi o que ele tentou explicar ("Eu sou coerente! Eu sou coerente!") antes de levar uma tesourada nas costas, que não o matou, provando a sua tese, mas acabou com a relação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.