Hitchcock, o suspense e a dublagem

Davi

LUIZ CARLOS MERTEN, O Estado de S.Paulo

05 de maio de 2012 | 03h07

14H45 NA BANDEIRANTES

(David). EUA, Alemanha, Itália, 1997. Direção de Robert Markowitz, com Nathaniel Parker, Jonathan Pryce, Leonard Nimoy, Sheryl Lee.

Telefilme que conta a história de Davi, que derrotou o gigante Golias e virou rei, sucedendo a Saul. Bem produzido, com bom elenco - Jonathan Pryce e Leonard Nimoy -, mas o relato é edulcorado, bem no estilo das produções anódinas da televisão. Reprise, colorido, 190 min.

John Woo: Bala no Prato

17H30 NA CULTURA

(John Woo: Bullet In The Plate).

França, 2002. Direção de Caroline

Vié-Toussaint.

A Cultura reprisa o documentário em que a francesa Caroline Vié-Toussaint acompanha John Woo em casa, no supermercado e usa atividades do artista para revelar seu método baseado na excepcionalidade da ação. Muito interessante, e para os cinéfilos admiradores do autor - imperdível. Colorido, 52 min.

Um Milionário em Apuros

21H15 NO SBT

(King's Ransom). EUA, 2005. Direção de Jeff Byrd, com Anthony Anderson, Jay Mohr, Nicole Parker, Kellita Smith. Um dos homens mais ricos do mundo é detestado por praticamente todo o mundo. E ocorre de seus desafetos planejarem seu sequestro justamente quando ele resolve se autossequestrar (para proteger o patrimônio da ex-mulher). O ponto de partida é curioso, se não original. O filme, porém, é médio e vai depender da sua adesão as Jay Mohr, como o pequeno criminoso atrapalhado que frustra os planos de todos. Reprise, colorido, 98 min.

A Performance

22H15 NA CULTURA

Brasil, 2012. Direção de Mauro

Baptista Vedia e Luís Dantas,

com André Garoli.

Programa que integra a nova série de telefilmes da Cultura, A Performance foi selecionado para exibição no Festival de Biarritz, no começo do ano. Mostra escritor que não consegue publicar livro e que se une a produtor cultural falido para aplicar golpe. O diretor Vedia é homem de múltiplas atividades. É escritor, dirige para teatro e cinema e tem a seu crédito dois curtas, Alex e Ariel, que circularam bastante e ganharam prêmios. A ficha incompleta foi montada com dados obtidos na internet. A emissora não a divulgou.

Capitalismo Selvagem

22H30 NA TV BRASIL

Brasil, 1993. Direção de André Klotzel, com Fernanda Torres, José Mayer, Marisa Orth, Marcelo Tas, Vera Holtz, Oscar Magrini, Maria Luiza Castelli.

Fernanda Torres faz jornalista que prepara matéria sobre milionário e descobre que sua fortuna repousa sobre um massacre de índios. Há quase 20 anos, causou estranhamento o tratamento cenográfico que o diretor Klotzel imprimiu ao tema. É autor talentoso - de A Marvada Carne e Memórias Póstumas -, o que credencia o programa a uma revisão. Quem sabe não estava adiante de sua época? Reprise, colorido, 86 min.

Cálculo Mortal

23 H NO SBT

(Murder by Numbers). EUA, 2002.

Direção de Barbet Schroeder, com Sandra Bullock, Ben Chaplin, Ryan Gosling, Michael Pitt.

O caso de Leopold e Loeb ficou famoso porque os adolescentes de Chicago cometeram um assassinato (em 1924) somente para demonstrar que ficariam impunes. Alfred Hitchcock foi um dos diretores que se debruçaram sobre o caso (em Festim Diabólico). Aqui, a detetive Sandra Bullock, com seu novo parceiro (Ben Chaplin), que desconfia da duplinha Michael Pitt/Ryan Gosling (em princípio de carreira). O diretor Schroeder começou a nouvelle vague. Fez filmes importantes. Aqui, começa bem, mas cede a um final decepcionante (porque hollywoodiano demais). Reprise, colorido, 121 min.

O Homem Que Sabia Demais

23H15 NA CULTURA

(The Man Who Knew Too Much). EUA, 1956. Direção de Alfred Hitchcock, com James Stewart, Doris Day,

Daniel Gélin, Brenda de Banzie.

A Cultura criou essa nova faixa que resgata clássicos de Hollywood, mas entrou na onda de que o público C e D não gosta de ler legendas e apresenta o programa dublado. O procedimento é esquisito numa emissora que deixa de fazer jus ao próprio nome. O programa, de qualquer maneira, é importante. James Stewart e Doris Day formam casal que passa férias no Marrocos e o filho é sequestrado, para forçá-los a participar de complô em Londres. Toda a ação converge para a cena do Albert Hall, quando será cometido um assassinato na hora em que o músico acionar os pratos, na execução de uma sinfonia de Benjamin Britten. Doris revela-se ótima atriz dramática. Mas, como se trata de uma cantora, o mestre do suspense - Hitchcock - não frustra seu público e Doris canta, de forma muito emotiva, Che Sera, Sera. Reprise, colorido, 120 min.

A Chamada

23H20 NA GLOBO

(Echelon Conspiracy). EUA, 2009.

Direção de Greg Marcks, com Shane West, Edward Burns, Ving Rhames, Jonathan Pryce, Martin Sheen.

Engenheiro de computação ganha, de um remetente misterioso, celular e na sequência recebe mensagens com indicações. Aposte em tal bilhete de lote-ria, faça isso, aquilo. Ele ganha muito, até descobrir a cilada. A ideia promete, mas, como thriller, o filme não vai longe. Reprise, colorido, 105 min.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.