Hitchcock imbatível, na Cultura

Dr. Dolittle 3

UBIRATAN BRASIL, O Estado de S.Paulo

14 Fevereiro 2013 | 02h07

16H05 NA GLOBO

(Dr Dolittle 3). EUA, 2006. Direção de Rich Thorne, com Kyla Pratt, Kristen Wilson, John Amos, Walker Howard, Luciana Carro, Tommy Snider.

Menina sonha ser uma adolescente normal, mas herdou de seu pai o dom de falar com os animais. Sem Eddie Murphy, que pulou fora da série, esta terceira parte se sustenta com os animais falantes. Reprise, colorido, 94 min.

O Homem Que Sabia Demais

22 H NA CULTURA

(The Man Who Knew Too Much). EUA, 1956. Direção de Alfred Hitchcock com James Stewart, Doris Day.

James Stewart e Doris Day protagonizam este suspense do diretor Alfred Hitchcock. O cineasta tece uma teia de intrigas na história de uma família envolvida, acidentalmente, numa conspiração de assassinato internacional. Quando seu filho é sequestrado para garantir silêncio, o casal inicia uma viagem perigosa para deter os criminosos e salvar o garoto. Doris Day canta Que Será, Será (Whatever Will Be, Will Be) no final emocionante e famoso do filme. A música ganhou o Oscar de melhor canção. Refilmagem de um longa que o próprio Hitchcock dirigiu em 1934, esse consegue ser ainda mais emocionante. Programão imperdível. Reprise, colorido, 120 min.

Deep Evil: Experiência Mortal

23 H NA REDE BRASIL

(Deep Evil). Canadá, 2001. Direção de Pat Williams, com Lorenzo Lamas, Ona Grauer, Adam Harrington.

Um destacamento de cientistas e militares altamente treinados e especializados é enviado a um complexo subterrâneo onde testes são feitos sob severa segurança, mas desta vez, o objeto do experimento se desenvolveu de maneira descontrolada e busca a sua sobrevivência ameaçando o futuro da humanidade. Reprise, colorido, 89 min.

TV PAGA

Todas as Mulheres do Mundo

9H45 NO CANAL BRASIL

Brasil, 1967. Direção de Domingos de Oliveira, com Leila Diniz, Paulo José, Ivan de Albuquerque.

O filme de estreia de Domingos de Oliveira, sobre a educação sentimental de Paulo, que ama todas as mulheres do mundo até descobrir que uma (Maria Alice) é mais importante para ele. No longa, é possível perceber a paixão de Domingos por Leila Diniz, pois o amor transborda e transforma o filme em uma vibrante homenagem à sua estrela. A fotografia de Mário Carneiro, a trilha de Gabriel Fauré, o desejo no olhar de Paulo José, a sedução das atrizes, tudo contribuiu para a aura do cartaz do Canal Brasil. Mas é Leila, no limite, quem faz a glória do filme. Reprise, preto e branco, 86 min.

Hannah e Suas Irmãs

12H40 NO TELECINE CULT

(Hannah and Her Sisters). EUA, 1986. Direção e interpretação de Woody

Allen, com Mia Farrow, Michael Caine, Carrie Fisher, Barbara Hershey.

Cineasta das grandes apreensões humanas, Woody Allen resiste como um exemplo de inteligência e bom humor. Com uma carreira marcada por diversas fases, ele, como poucos, trata de amor, solidão e morte. Entre seus diversos clássicos, destaca-se esse Hannah e Suas Irmãs. Mia Farrow faz a dona de casa dedicada que ampara as duas irmãs em crise, cuida do atual marido (que tem um caso com uma das cunhadas) e ainda oferece o ombro ao ex (Allen). Filme brilhante, que deu Oscars de coadjuvantes a Michael Caine e Dianne Wiest, simplesmente maravilhosos. O humor rasgado e sombrio, especialmente nas falas ditas pelo próprio Allen, provocam verdadeiras gargalhadas e, como nos filmes dos Irmãos Marx, em que os momentos de tensão da história serviam, na verdade, para a plateia tomar fôlego, a trama oferece uma bela discussão sobre relacionamento. Reprise, colorido, 106 min.

Uma Secretária de Futuro

16 H NO TCM

(Working Girl). EUA, 1988. Direção

de Mike Nichols, com Harrison Ford, Melanie Griffith, Sigourney Weaver.

Secretária inteligente não mede esforços para vencer no competitivo mundo da bolsa de valores de Nova York. Cansada de receber cantadas e baixos salários, ela parte para o ataque, mesmo que isso represente uma mudança total em seu estilo de vida. Comédia garantida pelo elenco classudo. Reprise, colorido, 111 min.

A Vida Secreta das Palavras

22 H NO TELECINE CULT

(Secret Life of Words). Espanha, 2005. Direção de Isabel Coixet, com Sarah Polley, Tim Robbins, Javier Cámara.

Funcionária modelo, moça é obrigada a tirar férias. Como não consegue relaxar, ela decide arrumar um emprego temporário como enfermeira, para cuidar de um acidentado numa plataforma petrolífera. Imobilizado por fraturas e queimaduras e temporariamente cego, o homem, porém, é ferino e a provoca constantemente. Aparentemente inusitada, a trama de A Vida Secreta das Palavras é o ponto de partida para uma bela discussão sobre diferenças sociais e a importância da palavra. O longa parte de um estranho relacionamento para discutir temas que não perdem a atualidade. A moça, que tem problemas de surdez, trata do ferido que, naquele momento, só tem a fala como recurso. Mas ele viveu momentos sobre os quais não quer conversar, assim como ela tenta afugentar seus fantasmas. Daí a importância das 'palavras secretas' que inspiram o título, expressões que machucam pelo simples fatos de serem pronunciadas. Com longos e, às vezes, profundos diálogos, o filme convida à reflexão. Reprise, colorido, 75 min.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.