Hitchcock e Mann nos canais pagos

Desventuras em Série

Luiz Carlos Merten, O Estado de S.Paulo

01 de novembro de 2010 | 00h00

16H NA GLOBO

(Lemony Snicket"s A Series Of Unfortunate). EUA, 2004. Direção de Brad Silberling, com Jim Carrey, Liam Aiken, Emily Browning, Kara Hoffman, Meryl Streepo, Jude Law, Timothy Spall, Catherine O"Hara, Billy Connolly.

O melhor filme do diretor Silberling, embora, a rigor, isso não signifique muita coisa, porque ele, quase sempre atraído pelo tema da morte, tem sido uma decepção atrás das outra. Aqui, a história ajuda e ela se baseia não em um livro, mas em três de Daniel Hendler, com seu personagem Lemony Snickel. A trama gira em torno de crianças que são entregues à guarda do tio, um certo Conde Olaf, que planeja eliminá-las para ficar com a herança. Mas elas escapam e vivem as desafortunadas aventuras do título original. Embora meio pesadão, o filme beneficia-se do elenco - Meryl Streep, Jim Carrey, que usa várias máscaras - e do visual, para o qual contribuiu um importante colaborador de Tim Burton, o diretor de arte Rick Heinrich. Reprise, colorido, 113 min.

Os Simpsons - O Filme

22H NA GLOBO

(Simpsons Movie). EUA, 2007. Direção de David Silverman.

É possível se divertir com a história de Homer, que quase provoca um desastre ecológico ao depositar as fezes de seu cãozinho de estimação num local em que elas ameaçam contaminar a principal fonte de água potável da cidade. O humor politicamente incorreto dos Simpsons fez história na TV, mas o primeiro filme (para cinema) com as aventuras da família não revela a mesma virulência dos melhores episódios da série, como bem assinala Leonard Maltin em seu guia. Reprise, colorido, 87 min.

Antôno, Guerreiro de Deus

22H NA REDE BRASIL

(Antonio, Guerriero di Dio). Itália, 2006. Direção de Antonello Bellucco, com Andrea Scolese, Giovanni Capalbo, Eleonora Danieli, Paolo Di Vita, Arnoldo Foà, Jordí Mollà.

Na trilha aberta por São Francisco de Assis, Antônio, um jovem nobre, desiste dos privilégios de sua casta para lutar em defesa dos pobres contra a aristocracia e até a Igreja, numa época - a Idade Média - em que ela andava meio distanciada dos ensinamentos do Cristo. Poderá até ser que o filme de Antonello Bellucco não valha grande coisa, mas oferece uma raríssima oportunidade de se conferir o extraordinário talento do Arnoldo Foà. Ator de formação brechtiana, ele fez pouco cinema, mas tem seu nome ligado a um dos clássicos menos conhecidos do cinema italiano - I Cento Cavalieri, de Vittorio Cottafavi, que passou no Brasil como Os Filhos de El Cid. Foà faz aqui o papa Gregório IX, que o guerreiro Antônio combate em nome de Deus. Reprise, colorido, 106 min.

Amanhã

A Globo exibe amanhã, no Intercine, o preferido do público entre - Diários de Motocicleta, de Walter Salles, com Gael Garcia Bernal, Rodrigo De La Serna, Mercedes Moran e Mia Maestro, sobre o jovem Ernesto Guevara e sua viagem de motocicleta pela América Latina, que consolidou suas convicções políticas e ideológicas e fez dele o Che (Brasil/Argentina/Cuba/EUA, 2004, fone 0800- 7090-11); e Abaixo o Amor, de Peyton Reed, comédia que pretende satirizar os clichês românticos, sobre jornalista disposto a desmascarar autora de sucesso, que escreveu um manual do amor; adivinhe se Renee Zelwegger e Ewan McGregor, depois de se estranharem durante 3/4 do filme, não chegam a bom termo no desfecho (EUA/Alemanha, 2003, fone 0800-70-9012).

TV Paga

Almas em Fúria

19h55 NO TELECINE CULT

(The Furies). EUA, 1950. Direção de Anthony Mann, com Barbara Stanwyck, Walter Huston, Wendell Corey, Gilbert Roland, Judith Anderson, Beulah Bondi.

Último filme do lendário Walter - pai de John Huston, de quem o TCM estará exibindo O Segredo das joias às 21 horas -, mostra-o como grande proprietário de terras e de gado, que entra em choque com a filha. Quando os críticos falam que os westerns de Anthony Mann têm um subtexto psicanalítico este é o filme que vem em primeiro lugar. Electra no Velho Oeste, um grande papel para Barbara Stanwyck e um faroeste contaminado pelo melodrama e pela ópera. Sergio Leone com certeza viu esta saga de amor e ódio antes de revolucionar o spaghetti western. Reprise, preto e branco, 109 min.

Frenesi

22 H NO TELECINE CULT

(Frenzy). Inglaterra, 1972. Direção de Alfred Hitchcock, com Jon Finch, Barry Foster, Barbara Leigh Hunt, Anna Massey, Vivien Merchant, Billie Whitelaw, Alec McCowan.

O último grande filme do mestre do suspense também não deixa de recorrer às chaves de Freud e da tragédia grega, só que aqui temos Édipo, e não Electra, como em Almas em Fúria (vai dar tempo de assistir aos dois). Homem é confundido com assassino de mulheres em Londres. O serial killer é oprimido pela mãe, da mesma forma que o inspetor que o persegue tem sua vida infernizada pela esposa, que o utiliza como cobaia de suas experiências culinárias. Hitchcock mistura humor, suspense, e inovações estilísticas - um certo movimento de câmera, quando ela abandona a cena do crime. Um filmaço. Reprise, colorido, 116 min.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.