Hilda Hilst é "demitida" da Unicamp

A escritora nascida em Jaú e radicada em Campinas Hilda Hilst deixou de ser funcionária da Unicamp desde 31 de dezembro, mas só ontem o reitor da universidade Hermano Tavares manifestou-se publicamente a respeito do assunto. A escritora era aposentada pelo INSS desde 1995 e, desde abril do ano passado, compulsoriamente por ter completado 70 anos."O problema vinha se arrastando há seis anos e tivemos de tomar uma medida", afirmou Tavares. Hilda deixa de receber R$ 2,7 mil líquidos por mês que, junto com a aposentadoria de R$ 720 garantiam sua sobrevivência, de acordo com Mora Fuentes, um dos amigos que moram com a escritora.O processo de desligamento em dezembro incluiu outros 125 funcionários, todos, a exemplo de Hilda, contratados pelo regime da CLT. A maioria desses funcionários estaduais era de nível médio. A escritora exercia a função técnica-didática. Apesar de aposentada pelo INSS, lembra o reitor da Unicamp, ela continuou a receber da universidade. No início do primeiro governo de Mário Covas, diz ele, foi determinado que se resolvesse a questão, mas o processo de arrastou por vários anos e só foi resolvido em dezembro do ano passado. "Infelizmente, não pudemos fazer nada, pois a situação dela era ilegal".De acordo com Mora Fuentes, que também é escritor, Hilda está bem mas não quer falar sobre o assunto. "Ela sofre os efeitos de três isquemias cerebrais e, no fundo, não quer tomar consciência da situação". Alguns amigos, conta Fuentes, têm ligado dando apoio, mas ninguém propôs alguma coisa concreta.O dinheiro recebido pela indenização, garante, só vai dar para cobrir as despesas nos próximos quatro meses. "Depois dissso, não sei o que vai acontecer".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.