Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Heróis e vilões da DC Comics ganham exposição com esculturas feitas de Lego

‘The Art Of The Brick: DC Super Heroes’, de Nathan Sawaya, chega a São Paulo nesta sexta-feira, 20

Thaís Ferraz, especial para O Estado

19 de setembro de 2019 | 18h37

Meio milhão de peças de lego formam o carro do Batman, o batmóvel, na mostra The Art Of The Brick: DC Super Heroes, que começa nesta sexta-feira, 20. Criada pelo artista norte-americano Nathan Sawaya, a exposição fica em cartaz na OCA, Museu da Cidade de São Paulo, até o dia 20 de novembro.

Formada por mais de 100 esculturas, a mostra se divide em salas temáticas, como Fortaleza da Solidão, dedicada ao Super-Homem, Themyscira, com foco na Mulher-Maravilha, e DC Dark, ocupada por vilões.

Em entrevista coletiva concedida a jornalistas brasileiros, o criador Nathan Sawaya conta que a ideia surgiu após o sucesso da exposição The Art Of The Brick, de 2016, que também passou pelo Brasil. “Depois dela, eu quis fazer algo novo e pensei em discutir os conceitos de bem e mal”, conta o artista. “Isso me levou diretamente ao universo dos quadrinhos”.

A escolha dos personagens da DC foi pessoal. “Eu cresci lendo muitas HQs e vendo muita TV”, conta Sawaya. “E foi daí que veio minha inspiração.”

O artista não trabalha sozinho. Com estúdios em Nova York e Los Angeles, Sawaya conta com uma equipe para ajudá-lo a montar as obras. Tarefa que não é fácil: o simples logo do Batman, por exemplo, demandou mais de mil peças em sua composição.

Sawaya destaca a dificuldade de criar a sensação de movimento nas esculturas. “As capas dos super-heróis são particularmente trabalhosas”, afirma. “Elas são esvoaçantes e finas, e é difícil recriar essa sensação.” Outro desafio foi compor o famoso jato invisível da Mulher-Maravilha. “Precisei usar peças transparentes, o que eu nunca tinha visto alguém fazendo antes”, conta ainda.

Para além da representação dos personagens e de momentos ou produtos icônicos, como algumas das capas mais famosas das revistas da Liga da Justiça, Sawaya também brinca com possibilidades. Na sala DC Light, por exemplo, cria momentos ‘descontraídos’ dos personagens – um exemplo é a escultura do personagem Aquaman tomando um banho de banheira.

Confira algumas das peças expostas:

Na sala Fortaleza da Solidão, o Super-Homem ganha duas representações interessantes. Na primeira, feita com 25 mil blocos de lego, o super-herói perde a capa e ganha asas de anjo. “Ele está sempre sobrevoando e ajudando as pessoas”, explica Sawaya. Na outra, ele aparece empurrando um muro feito por sua própria capa. “Quis representar os obstáculos que, às vezes, as próprias pessoas se impõem.”

O complexo personagem Batman também ganha uma escultura mais conceitual. Em Construindo o Batman, o cavaleiro aparece concentrado, encaixando peças no próprio braço esquerdo. “Essa obra é mágica por essa ideia”, comenta. “O Batman é o único herói da DC que é um homem comum, não tem superpoderes e precisou se construir”, acrescenta. 

The Art of The Brick: DC Super Heroes. OCA – Museu da Cidade de São Paulo. Parque do Ibirapuera. Av. Pedro Álvares Cabral, S/N, portão 2. 3ª a 6ª, 9h às 20h; Sáb. e Dom. 9h às 19h.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.