Herói Ken Parker volta em "Um Príncipe para Norma"

O Velho Oeste nunca mais foi o mesmo depois de Ken Parker. Pelo menos nos quadrinhos. Criado em 1974 por Ivo Milazzo e Giancarlo Berardi, é o último grande herói do western. Andava meio esquecido por aqui desde 1994, quando a editora Ensaio publicou as histórias Os Cervos e Hálito de Gelo. No fim do ano passado, porém, o Clube dos Quadrinhos (Cluq) editou a belíssima minissérie Onde Morrem os Titãs. Agora, volta a publicar mais uma obra-prima de Ken Parker: Um Príncipe para Norma (128 págs., R$ 36,00).Há certos fatores nessa história que a tornam algo mais que o fino que é toda a série. O grande atrativo, assim como em outros episódios, continuam sendo as referências e citações que Berardi extrai da literatura, música, cinema e de outras áreas artísticas. A força de Um Príncipe para Norma está na fonte em que Berardi bebeu para criar a história: nada mais do que o clássico Hamlet, de Shakespeare.Toda a trama se passa durante os ensaios para uma encenação do espetáculo pela Everett´s Theatrical Company, grupo de teatro mambembe que acaba empregando o sempre fugitivo Ken Parker, que encarna o jovem e vingativo Hamlet. A beleza da história reside nos desenhos de Giorgio Trevisan, que se reveza com Milazzo na arte. Enquanto este usa sua aquarela para ilustrar as cenas do Velho Oeste, Trevisan, com seu estilo detalhista, assume o lápis para desenhar a saga de Hamlet.Não bastasse a dura tarefa de adaptar Shakespeare para os quadrinhos, Berardi ainda levou para a história ninguém menos que a senhorita Norma Jean. Sim, ela mesma: a musa Marilyn Monroe, que atordoou o imaginário dos homens nos anos 50. O próprio Berardi confessa que não escapou incólume aos encantos da atriz. Na encenação de Hamlet, Norma acaba sendo escalada para interpretar a bela Ofélia. Só o fato de promover o encontro de Ken Parker - inspirado no personagem Jeremiah Johnson, vivido pelo ator Robert Redford no filme homônimo, de 1972 - e Norma/Marilyn já justifica a leitura de Um Príncipe para Norma.Há outras citações nesse episódio, como o livro que Parker oferece para Norma ler, Sonnets from Portuguese, obra mais famosa da poetisa inglesa Elizabeth Bronwning Barrett (1806-1861). O livro citado por Berardi foi escrito como prova do amor de Elizabeth pelo marido, o também poeta Robert Browning. As poesias, como Parker diz para a carente Norma, são "outro modo de sentir carinho". Outra bela citação aparece na última tira da página 102, onde Trevisan reproduz o quadro Ofélia (1852), do pintor pré-rafaelista John Millais (1829-1896).A importância de Ken Parker para o universo dos quadrinhos pôde ser medida pela frustração dos fãs do personagem quando foi anunciado, em janeiro de 1998, o fim da série na Itália. O Albo Speciale n.º 4 marcava o fim de um trabalho conjunto de mais de 30 anos de Berardi e Milazzo. Houve boatos infundados de que a separação foi provocada por uma briga. Balela. Os dois continuam amigos e, entre um trabalho e outro, encontram-se para tomar um bom vinho.Hoje, Berardi continua fazendo sucesso, dedicando-se exclusivamente a Julia, série sobre uma criminóloga (inspirada na atriz Audrey Hepburn) que vende em média 100 mil exemplares por mês na Itália. Milazzo continua realizando trabalhos para o gênero western. Em 1999, ilustrou, com suas aquarelas o livro Canto di un Uomo-Falco, do amigo e poeta Fabrizio Portalupi. Desenhou, no mesmo ano, Sangue Sul Colorado, 13.º Texone da Sergio Bonelli Editore, editora que publicou a série Ken Parker. Hoje, ilustra a série Magico Vento, com a colaboração de desenhistas como Bruno Ramella, Andrea Venturi, Carlo Bellagamba e Stefano Biglia. A possibilidade de a parceria ser retomada é remota, mas eles não a descartam. Enquanto isso, milhares de fãs de Ken Parker em todo o mundo vivem numa constante expectativa. Em entrevista, Berardi deixa a esperança no ar: "Nada é impossível; se surgir uma ocasião interessante, ficarei muito feliz em reencontrar meu velho companheiro de aventuras".Um Príncipe para Norma - que tem tiragem de apenas mil exemplares - pode ser encontrado nas livrarias Comix Book Shop (Alameda Jaú, 1.998), Cultura (Av. Paulista, 2.073), Devir (Teodureto Souto, 624), Fnac (Av. Pedroso de Morais, 858), Muito Prazer (Av. São João, 735) e na Banca La Plaza (Praça Irmãos Karmann, 40).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.