Herdeiros de Tolkien processam produtora de cinema

Advogados dos herdeiros do escritor tentam receber ao menos US$ 150 milhões da produtora New Line

Ansa,

12 Fevereiro 2008 | 15h35

Os herdeiros do escritor britânico John Ronald Reuel Tolkien, mais conhecido como J.R.R Tolkien, estão processando a produtora da saga cinematográfica O Senhor dos Anéis, pois, segundo eles, ela se nega a pagar seus direitos autorais.   Segundo a rede inglesa Sky News, os advogados dos herdeiros de Tolkien deram início a um processo na corte de Los Angeles contra a produtora de Hollywood New Line Cinema, cujo lucro com a saga, desde 2001, chegou a cerca de US$ 6 bilhões.   Os herdeiros do escritor britânico tentam receber ao menos US$ 150 milhões como compensação, e também devem cobrar por danos morais. Eles pedem ainda a suspensão de todos os direitos da New Line para adaptações baseadas em livros de Tolkien - o que incluiria o filme O Hobbit, que foi anunciado em dezembro do ano passado como o novo projeto cinematográfico da produtora.   "Não posso imaginar como diabos a New Line poderá justificar diante do juiz que, ainda que os filmes gerem bilhões de dólares, os herdeiros do autor, que por lei devem cobrar direitos, não receberam nada", declarou Bonnie Eskenazi, da equipe de advogados que apresentou a queixa.   A New Line se nega a comentar o assunto. Steven Maier, um dos advogado dos herdeiros de Tolkien, disse que o processo foi a última opção deles. "Os herdeiros de Tolkien não tomaram levianamente a decisão de apresentar a queixa. Eles já tentaram, sem êxito, resolver o problema fora da corte, mas neste caso a New Line os deixou sem opção alguma", disse.   A queixa, além de denunciar que a New Line não pagou aos herdeiros os direitos correspondentes aos filmes, afirma que a produtora impediu uma auditoria dos dois últimos filmes da saga, O Senhor dos Anéis: As Duas Torres (2002) e O Senhor dos Anéis: O Retorno do Rei (2003), este último vencedor de onze Oscars.

Mais conteúdo sobre:
Tolkien O Senhor dos Anéis

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.