'Heleno' é reflexão sobre o caráter efêmero da fama

Talvez seja enganoso dizer que Heleno é um filme sobre futebol apenas por ter como protagonista uma das mais notórias figuras desse esporte no Brasil. Parece mais uma reflexão sobre a tragédia da fama, sobre os enganos do mundo das celebridades do que a trajetória de um boleiro de gênio (nos dois sentidos do termo), famoso tanto por suas jogadas em campo como por suas peripécias fora dele.

O Estado de S.Paulo

30 de março de 2012 | 03h11

De fato, Heleno de Freitas foi o precursor de todos os nossos bad boys contemporâneos, jogadores que atraem os holofotes em boates da moda, cercados de belas mulheres e aproveitadores. Heleno teve disso tudo, numa época em que o mundo das celebridades era ainda incipiente e os paparazzi não existiam - ou pelo menos não tinham esse nome, celebrizado pelo personagem do fotógrafo de A Doce Vida, de Federico Fellini, em 1960.

Heleno é prévio a esse nosso mundo contemporâneo, e sua trajetória o antecipa. Faz parte de outra época, mas que se liga à nossa. Um tempo em que se podia contrair sífilis e morrer da doença, louco, como aconteceu com ele, aos 39 anos, pobre e esquecido em um hospício de Barbacena. Isso depois de haver encantado os torcedores do Botafogo e do Vasco, ter jogado no Boca Juniors e no Atlético de Barranquilla, na Colômbia. Depois de haver pontificado na boate Vogue e no Copacabana Palace, e ser visto na companhia das mulheres mais belas da noite carioca dos anos 1940. Heleno, figura da belle époque, é também nosso personagem futebolístico mais trágico, mais ainda que Mané Garrincha que, pelo menos, viveu alguns anos a mais e conquistou duas Copas do Mundo.

Outro tempo. Ok. Mas se você trocar o nome de Heleno pelo de outras celebridades da nossa época, se mudar um pouco os cenários e penteados, poderá ver no filme um comentário atual sobre a fragilidade dos ídolos e o caráter fugaz da fama e da fortuna. Essa tragédia existencial não poderia ficar melhor do que no preto e branco magnífico fotografado por Walter Carvalho a pedido do diretor José Henrique Fonseca. Tudo faz sentido nesse filme: da atuação impecável de Rodrigo Santoro no papel título à de coadjuvantes inesquecíveis como Maurício Tizumba, no papel de enfermeiro do ex-jogador. Sim, em parte, Heleno é sobre o drama do futebol. Mas é mais sobre a fragilidade da vida, e da vaidade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.