Helena Pessoa traz a sua trama a SP

O suporte não será mais delicado e a ação não tão violenta. Helena Pessoa optou em sua nova série, aberta nesta terça-feira, na Galeria Adriana Penteado, pelo inverso. ?Vou construindo uma matéria, um corpo pictórico que veio com o desenho para potencializar uma superfície em toda a sua exterioridade?, afirmou ela. O trabalho é também resultado de suas experiências com os traços e com as linhas, antes mais abertos. O visitante que acompanha a obra da artista verá nitidamente que a trama se fecha, mas mantendo uma luz, ora fluindo ao centro, ora vindo das laterais. ?Era de se esperar que as tramas de Helena Pessoa se fechassem?, afirmo o crítico Paulo Sergio Duarte, na abertura do catálogo. Para ele, na pintura sobre papel de arroz, (usada por Helena desde 1993), a grade negra machucava a superfície delicada, e havia algo de violento no encontro dos materiais como se o suporte não fosse resistir ao peso da tinta e essa tensão tomava conta do movimento do trabalho.?Agora, quando sua pintura ocupa com a cor preta toda a superfície, não mais sobre papel, mas sobre telas, Helena Pessoa inscreve definitivamente sua experiência numa longa tradição de uma pintura reflexiva?, resume Duarte. Helena, no entanto, afirma que a troca de materiais - que chegou a cera de abelha derretida, terra e asfalto - considerados ?pouco apropriados para uma superfície tão fina? foi difícil, mas ao mesmo tempo uma conquista.As dez telas de grande formato merecem cuidado. Helena ao cobri-las com linhas que vão se sobrepondo em tons predominantemente escuros - vermelho, preto e azul, mas sem esquecer de algumas pinceladas douradas, prateadas, brancas, amarelas - exige uma atenção do apreciador em não ficar só tentando desvendar o desenho dos traços, mas experimentar a leveza das linhas verticais e horizontais. ?É um abstrato. Mas no final há uma discussão da memória. ?, afirmou. Helena Pessoa - Adriana Penteado Arte Contemporânea, Rua Peixoto Gomide, 1503. Tel. (11) 3081.1012. Terça a sexta-feira das 10h às 19hs. Sábados das 11h às 14h. Preços: De R$ 1.500 a R$ 8.000. Até dia 20 de dezembro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.