Havaianas viram hit fashion até no Japão

Que tal pagar US$ 150 por um par de sandálias Havaianas, com cristais Swarovski nas tiras, na rede de lojas japonesa Celux? Pode parecer extravagância, mas os consumidores japoneses estão comprando essas sandálias por esse valor este ano. Na França, na tradicional Galeries Lafayette, o par do modelo básico é vendido a 30 neste verão europeu, ou R$ 120. Nos Estados Unidos e na Austrália, o preço cai para US$ 20, ou R$ 60, o modelo colorido que aqui custa R$ 10, enquanto a tradicional é vendida a R$ 5. Tudo porque o produto entrou na rota da moda, especialmente no exterior, onde já foram flagradas em pés como os de Julia Roberts, embalando os resultados da empresa. O diretor de Negócios de Sandálias da São Paulo Alpargatas, dona da marca, Paulo Lalli, comemora esse sucesso com números. De 1.º de julho do ano passado a 30 de junho deste ano, a empresa vendeu 137 milhões de pares das Havaianas, 14% a mais do que em igual período anterior. Do total de sandálias, de 7% a 8% seguiram para o exterior ante 5% no período anterior. Tanto melhor que o aumento ocorre em mercados onde as sandálias, diz Lalli, não chegaram a ser vendidas, em nenhum momento, como commodities. "Entraram direto pela porta do mundo fashion". Ontem, Lalli estava feliz em receber, em São Paulo, no Hotel Blue Tree Towers Morumbi, um ruidoso grupo de 40 importadores de diversos países para os quais apresentou 29 versões da sandália criada há 42 anos e que durante décadas carregou o slogan das legítimas que "não têm cheiro, não deformam e não soltam as tiras." Só que as Havaianas do chamado "pé de chinelo" são coisa do passado. O produto hoje goza de conceito no mundo da moda e é indispensável como acessório de praia, diz Lalli, feliz com essa mudança de conceito. A empresa também está atenta ao movimento de brasileiros que têm carregado Havaianas nas sacolas para vender em praias européias da francesa Côte D´Azur e da espanhola Ibiza. "Estamos criando coleções especiais voltadas ao mercado externo para garantir o sucesso de vendas das lojas que importam o produto e enfrentam a concorrência de sacoleiros brasileiros". Ele não esconde, porém, que o modelo com a bandeira do Brasil é o que faz mais sucesso. "O Brasil está na moda e a moda é Havaianas", diz. E se alguém acha caro o valor das sandálias vendidas no exterior ficará ainda mais assustado ao se deparar com os três modelos de Havaianas criados em parceria com a H. Stern, com tiras trabalhadas em ouro maciço. Mais ainda ao ser informado que um empresário curitibano entrou na loja da H. Stern da Rua Oscar Freire, em São Paulo, e pagou R$ 58 mil reais para levar o modelo mais caro das Havaianas H. Stern para a mulher, com o compromisso do anonimato. As outras duas versões custam R$ 12,5 mil e R$ 7,5 mil, o modelo básico, se é que esse tipo das emborrachadas Havaianas adornadas com ouro possa ser assim classificado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.