Harry Potter estreia fazendo história

Deu no The New York Times. Harry Potter e as Relíquias da Morte - Parte 1 já fez história em Hollywood como a maior abertura em salas Imax dos EUA. Somente nelas, o sétimo longa da série e o terceiro assinado por David Yates faturou US$ 12,4 milhões no mercado interno e US$ 16,6 milhões em todo o mundo, batendo os números de Alice no País das Maravilhas, de Tim Burton, que detinha o recorde anterior, com, respectivamente, US$ 12,1 milhões e US$ 15,3 milhões.

, O Estado de S.Paulo

23 de novembro de 2010 | 00h00

No total, As Relíquias da Morte faturou US$ 330 milhões em todo o mundo, somente no primeiro fim de semana. Nos EUA, o bruxinho alcançou US$ 125,1 milhões, perdendo apenas para Harry Potter e o Cálice de Fogo, de Mike Newell, cujos ingressos atualizados equivalem a US$ 127,4 milhões. A produtora e distribuidora Warner comemora os números porque As Relíquias da Morte não foi vendido pelo departamento de Marketing da empresa como uma atração para os jovens fissurados pelo herói criado pela escritora J.K. Rowling.

Embates. Na medida em que este está sendo o filme mais sombrio de todos e o embate entre bem e mal, entre Harry e seus amigos (Hermione e Ron) e as forças sinistras de Valdemont é levado a um novo patamar de violência, o filme se converte também em atração para plateias adultas. As Relíquias está fazendo o crossover de todas as idades e, por isso, a Warner e o NYT estimam que o filme venha a se converter no maior sucesso da série - pelo menos até a estreia do opus final, As Relíquias da Morte - Parte 2, em meados do ano que vem.

A Warner Brasil ainda não havia contabilizado os números de Harry Potter e as Relíquias da Morte no mercado brasileiro até o fim da edição. Segundo a assessoria da Warner, os dados ainda estavam sendo coletados e somente no fim da tarde, ou início da noite, a empresa poderia anunciar o público alcançado pelas cerca de 700 cópias com que o filme estreou no País, incluindo em Imax.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.