Harry Potter chega hoje ao mundo dos leitores

Já sabemos que J.K. Rowling chorou ao escrever o capítulo em que um dos personagens morre, no quinto livro da série Harry Potter. Mas tudo o que acontece nas 768 páginas de Harry Potter e a Ordem de Fenix o mundo saberá à meia-noite e um minuto nos relógios de Londres, o que significa, no Brasil que isso acontecerá hoje, às 20h1 min, graças ao fuso horário. Mas o livro chega aqui ainda em inglês. No Brasil, a Livraria Cultura, que encomendou 2 mil exemplares do livro em inglês (e já recebera 700 encomendas), organizará, a partir das 18h30 de hoje, nas suas três lojas, um concurso de fantasia para eleger o melhor Harry Potter. O sigilo sobre a obra é tamanho que os editores de línguas estrangeiras também dependem do lançamento para iniciar a tradução da obra. O editor brasileiro Paulo Rocco estima que poderá lança-lo no Natal. Na Espanha, só sai em 2004.Harry Potter e a Ordem de Fênix baterá vários recordes da indústria cultural. O maior deles será o número de exemplares da primeira tiragem: 13 milhões (segundo algumas agências de notícias; outras falam em 11 milhões), nos países de língua inglesa. Só nos EUA, serão 8,5 milhões. O campeão anterior era o quarto volume da série, Harry Potter e o Cálice de Fogo, que alcançara 3,8 milhões de exemplares, há três anos. Num caso emblemático, mas que talvez se torne mais freqüente, a indústria editorial apresenta um produto com tiragem superior às alcançadas atualmente pela indústria fonográfica, que sofreu muito mais com o avanço da internet na última década. Há outros números que impressionam: a Amazon.com recebeu 1 milhão de pedidos do livro. No Brasil, as livrarias estão importando livros em inglês em número que supera as tiragens tradicionais de livros em português.Pouco se sabe do novo livro e quase nenhuma informação sobre a história. Mesmo os exemplares que se extraviaram (um caminhão com 7.680 livros foi roubado no domingo; um empregado de uma gráfica foi condenado a prestar serviços comunitários depois de ser preso tentando vender trechos da obra para um jornal sensacionalista e uma livraria de Nova York teria começado a vendê-la antes da hora) haviam conhecido quase nenhuma divulgação pela imprensa. Todas as empresas que trabalharam com o livro, seja na produção, na impressão ou na distribuição, tiveram de se submeter a condições draconianas sobre o sigilo da obra. Na quarta-feira, o diário nova-iorquino Daily News publicou algumas informações sobre o livro - e deve ser processado por isso -, entre elas e de que a personagem morta não é nem Ron nem Hermione, os dois melhores amigos de Potter em Hogwarts.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.