Divulgação/Yale University
Divulgação/Yale University

Harold Bloom discute sua seleção de cem poemas

Em entrevista, Bloom fala sobre sua seleção de cem derradeiros poemas de autores de língua inglesa

Lúcia Guimarães, O Estado de S. Paulo

23 de outubro de 2010 | 07h00

Ele nunca decepciona seus interlocutores. Passional e provocador. Professoral, sempre. Num momento pede socorro à mulher porque derrubou o aparelho de audição ("Está tudo desmoronando por aqui!") e em seguida elogia, sedutor, o que chama de voz maviosa da repórter ao telefone.

 

Toda traquinagem será tolerada.

 

Harold Bloom acaba de completar 80 anos. No final de 2009, sua saúde o afastou por meses do convívio com os estudantes da Universidade de Yale, onde ocupa a mais famosa cadeira de crítica literária do país. Se você faz 80 anos e passou a vida lendo o melhor da poesia, então, "começa a saber que, diante do morrer e da morte, a imaginação é, ao mesmo tempo, nada e tudo".

 

Assim Bloom explica seu desejo de reunir cem poemas em Till I End My Song - A Gathering of Last Poems (Até Eu Terminar Minha Canção - Uma Reunião de Últimos Poemas). O título cita o verso repetido em Prothalamion, de Edmund Spenser, o poeta elisabetano, que abre a coletânea. O fim que une os poemas não é necessariamente o fim temporal.

 

O livro cobre 450 anos de poesia, de William Shakespeare a James Merrill, de Robert Frost a Robert Lowell e termina com o poema The Veiled Suite, de Agha Shahid Ali, indiano de Kashmir morto em Massachusetts, os 52 anos, em 2001 e incluído numa coleção póstuma publicada em 2009. Bloom considera os versos de The Veiled Suite entre os mais obsessivos que trataram da morte.

 

Apesar do tema e de sua avançada idade, Bloom está longe de se deixar abater pelo assunto. Comemora suas cinco décadas na academia - "Dei aula para cerca de 25 mil estudantes, o bastante para lotar uma cidade" - e conclui: "O propósito de ensinar é estender a bênção da vida prolongada."

 

Quando telefono para sua casa em New Haven, Connecticut, o professor contorna a primeira pergunta e já sai palestrando sobre a nova obra. "Sim, há um tom um pouco sombrio na obra que inclui poemas de amigos queridos, como Robert Penn Warren, morto em 1989, e Anthony Hecht, morto em 2004. Ainda sofro o luto por eles." E segue, entusiasmado com Till I End My Song. Acompanhe.

 

Qual é a distinção que o senhor faz entre a finitude da morte e a finitude que encontrou em certos poemas?

Veja que não é uma coleção de poemas sobre a morte e sim uma coleção de poemas que lidam com a incerteza. Todos nós queremos e não queremos saber quanto tempo temos de vida, e esta é a incerteza. Reuni três tipos de "últimos" poemas. Os poemas cronologicamente finais são minoria. Há poemas que marcam o fim de uma carreira. E queria me concentrar também no que considero o auge - o final - de um processo de imaginação.

 

Por que o senhor diz no livro que estava interessado em conhecimento e não na piedade, no pathos ligado à morte?

Sim, por que dizemos isso? Queria deixar claro que o fim é uma parte importante do conhecimento. Montaigne, o ensaísta maior, nos dá o melhor conselho: "Não percam tempo aprendendo a morrer. Quando chegar a hora, vamos saber morrer direito."

 

O senhor destaca que os poemas se colocam contra a morte e não contra o morrer.

Sim, a morte é uma ideia. O ato de morrer é diferente. É algo que todos vamos experimentar. Mas a ideia é complicada. Como a ideia da morte não é um modo de existência, a poesia pode nos esclarecer sobre ela.

 

Por que o senhor considera importante desfazer a mitologia da morte?

Falo da minha própria metafísica. Três poetas que sempre celebrei, Percy Shelley, Walt Whitman e Wallace Stevens, são românticos lucrecianos. Eles seguem a metafísica epicurista, em que a morte é exposta como um filamento da imaginação, um bicho-papão que as pessoas impõem sobre si mesmas. O W.H. Auden e eu discutíamos sobre isso. Ele nem considerava aqueles três poetas, tinha um temperamento forte.

 

O senhor concorda que o medo da morte é o oposto do gosto por viver?

Com certeza. Não existe essa coisa chamada morte. Shakespeare é o mestre em tratar disso. Como nas palavras finais de Hamlet, "o resto é silêncio".

 

Na introdução, o senhor manifesta uma esperança de renascimento na Era de Obama, "depois de anos no mato" ("In the bush", trocadilho com o nome do último presidente.)

Eu nunca quero falar em política. Mas confesso que fui um pouco otimista e me arrependo. Eu não imaginava o que ia acontecer. Por favor, pode me citar: os EUA ficaram completamente malucos. Talvez possamos nos recuperar depois que Obama for reeleito. No dia 2, vamos ter eleições e ninguém com acesso à mídia tem a honestidade ou a decência de dizer a verdade. O Tea Party é o nosso movimento fascista. Nem adianta falar em "neo", como neonazistas. É fascismo mesmo. Vários candidatos deles vão se eleger e os democratas vão perder a maioria entre os deputados. Haverá uma total paralisia legislativa. Eles vão instalar comitês de investigação. Se puderem, vão tentar o impeachment de Obama. Os próximos dois anos serão assim. Depois, tenho confiança que aquela mulher magnífica vai ser candidata a presidente e perder. Sarah Palin (Bloom parece estar na sala de aula), uma peça bem acabada de fascismo populista.

 

Till I End My Song - A Gathering Of Last Poems

Organizador: Harold Bloom

Editora: Harper Collins

(Importado; 379 págs., R$ 56,73)

Tudo o que sabemos sobre:
Harold Bloom

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.