Marcos de Paula/AE
Marcos de Paula/AE

Habilidade em conduzir o leitor é um dos méritos da jovem Luisa Geisler

'Quiçá', romance de estreia da gaúcha, foi o vencedor do prêmio Sesc de Literatura em 2011

GIOVANNA BARTUCCI - ESPECIAL PARA O 'ESTADO',

13 de agosto de 2012 | 03h10

Uma das mensagens essenciais da literatura consiste em dizer que nada caberia definitivamente na palavra e que, assim sendo, seria imprescindível voltar a dizer. A linguagem cinematográfica, ao contrário, pretenderia, aparentemente, tudo dizer por meio da imagem, daquele instante.

Com efeito, esta talvez seja uma das importantes temáticas no que se refere a literatura brasileira contemporânea produzida por jovens escritores como a gaúcha Luisa Geisler, de 21 anos: a proximidade da escrita literária com a linguagem do roteiro cinematográfico.

Quiçá, seu romance de estreia, vencedor do prêmio Sesc de Literatura 2011, evidencia este acercamento por intermédio de uma narrativa que lança mão da lembrança, constituída como uma somatória de imagens que se seguem umas às outras - e que em nada se parece à memória proustiana -, para contar da aproximação e convivência, pelo período de um ano, de dois primos que até então pouco se conheciam. A "cena de abertura" da composição, a viagem de retorno de Arthur à cidade de origem com os tios para um almoço de Natal em que o restante da família estará reunida, imediatamente induz e solicita o leitor a acompanhar a vida do rapaz que tentou suicídio - que, devagar, encontra um lugar no mundo cotidiano de Clarissa, a prima de 11 anos, filha única autossuficiente e responsável.

Será, contudo, o paradoxo que se instala no encontro entre a necessidade do "ainda dizer" literário e do "tudo está dito" imagético - e que resulta na experiência de suspensão pelo leitor - que promove o reconhecimento da hipocrisia e do esvaziamento das relações familiares e sociais aos quais os personagens estão submetidos. E a linguagem coloquial contemporânea da classe média urbana torna-se o instrumento que permite à autora instaurar a velocidade e agilidade necessárias ao fluxo de imagens que termina por se constituir no próprio fio condutor da trama. Caberá, então, ao leitor-espectador devolver aos primos - relação familiar que possuirá outro significado ao final do romance - o "olhar amoroso" tanto desejado por ambos.

Por outro lado, se as repetições de parágrafos ou de "apostos" - como, por exemplo, no caso da palavra "televisão" que vem sempre acompanhada de "(Full HD, conexão à internet, com 3D, 52 polegadas)" -, ou mesmo dos (aparentemente) desnecessários "ele disse", "ela disse", após a fala dos personagens, denotam o que hoje identificamos como "imaturidade formal", em Quiçá, terminam por conduzir o olhar do leitor-plateia para e na cena.

É possível dizer que Contos de Mentira (Record), livro de estreia de Luisa, vencedor do prêmio Sesc de Literatura 2010 na categoria "conto", já indicava os percursos formais e de conteúdo escolhidos pela autora para o romance. Suas histórias - poderíamos chamá-las de esquetes? - delineiam pequenos momentos das vidas de personagens atropelados por um mundo despido do "significado inevitável". Sem início, meio ou fim, as narrativas se furtam a colocar diante do leitor uma direção, um propósito, um sentido. Ou seja, ensaia-se, para o leitor, um improviso.

GIOVANNA BARTUCCI É PSICANALISTA, AUTORA DE BORGES: A REALIDADE DA CONSTRUÇÃO. LITERATURA, PSICANÁLISE (IMAGO), DURAS - A DOENÇA DA MORTE: UM DIREITO DE ASILO (ANNABLUME)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.