Há 200 anos, nascia o seu idealizador

Domingos José Gonçalves de Magalhães nasceu há 200 anos, em 13 de agosto de 1811, em Niterói, e morreu em Roma, onde servia como diplomata, no dia 10 de julho de 1882. Formado em Medicina, publicou em 1836 o livro Suspiros Poéticos e Saudades, no qual esboçou os rudimentos do romantismo no Brasil. Os fundamentos do estilo viria a ser esboçado em artigo no mesmo ano na revista Nitheroy, cujo raro exemplar encontra-se agora perdido. Paulo Franchetti, no site Brasiliana, da USP, escreveu que o artigo seria a primeira formulação cabal, no Brasil, "de uma proposição que terá longa fortuna nos anos subsequentes: a de que os temas, as formas e as técnicas da literatura europeia se não obstruem, ao menos dificultam a expressão do caráter nacional na produção letrada do país". Ideia que teria variantes em obras de Araripe Jr., Afrânio Coutinho e Antonio Candido. Já Sérgio Buarque de Hollanda interessou-se pelo diálogo entre cultura erudita e popular do livro de poemas de Gonçalves de Magalhães, e assinalou que "é hoje difícil dizer da literatura romântica se foi ela que, em muitas das sua formas, veio a coincidir com a espontaneidade nacional, a ponto de se identificarem, ou se exerceu uma função pedagógica de primeira importância anexando ao seu espírito algumas das modalidades típicas da nossa cultura e do nosso ambiente social". / J.M.

O Estado de S.Paulo

18 de janeiro de 2012 | 03h09

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.